PPGH/CCHLA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA Telefone/Ramal: Não informado https://posgraduacao.ufrn.br/ppgh

Banca de QUALIFICAÇÃO: FELIPE AIALA DE MELLO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : FELIPE AIALA DE MELLO
DATA : 26/08/2019
HORA: 14:00
LOCAL: Videoteca da BCZM/UFRN
TÍTULO:

A REPRESENTAÇÃO DE CLEÓPATRA E DO EGITO EM VIDA DE ANTÔNIO, DE PLUTARCO


PALAVRAS-CHAVES:

Plutarco, Vidas Paralelas, Cleópatra, Egito, Império Romano.


PÁGINAS: 174
RESUMO:

Esta dissertação tem por objetivo analisar as representações de Cleópatra e do Egito forjadas por Plutarco na obra Vida de Antônio. Ao biografar a vida do general romano, Plutarco acaba por imprimir sua visão a respeito da rainha do Egito e de seu povo. Ao falar de um lugar ideologicamente marcado, sob o ponto de vista de um cidadão de uma pólis grega (Queroneia) que viveu sob o domínio romano, Plutarco configura fatos, dados, enfim, a própria história, com uma escrita de cunho biográfico, documental e histórico e, ao mesmo tempo, estrategicamente, dramática, teatral, emocionada e moralizante. O filósofo cria, em sua narrativa, uma visão do Oriente, figurada na imagem de Cleópatra e do Egito. As principais categorias analíticas utilizadas na consecução desta dissertação são, prioritariamente, imperialismo, orientalismo, romanização e identidade. Nesse sentido, os principais teóricos que contribuem para a pesquisa são Guarinello (1994; 2006a; 2006b; 2008; 2009; 2010), Hingley (1989: 1991; 1993; 1995a; 1995b; 1996; 1997; 2000; 2001; 2002; 2003; 2005; 2008; 2010; 2011; 2014; 2017), Mattingly (1996; 1997; 2004; 2006; 2010a; 2010b; 2010c), Revell (1999; 2000; 2009a; 2009b; 2009c; 2016), Said, (1995; 2007), Woolf (1990; 1994; 1997; 1998a; 1998b; 1998c; 2001; 2003). Esse instrumental teórico oferece as bases epistemológicas necessárias para fundamentar os procedimentos analíticos e permite desenvolver pontos de vista sobre o corpus escolhido. A metodologia utilizada na análise baseia-se na forma tradicional do trabalho do historiador, qual seja, a das críticas internas e externas das fontes, aliada à análise de conteúdo. Esta pesquisa pretende mostrar que Plutarco, ao compor a imagem identitária de Cleópatra e a representação do Egito, o faz sob uma perspectiva orientalista, a partir de dicotomias opositivas estereotipadas e sustentadas por ideologias moralistas, moralizantes e imperialistas, tentando subjugá-los em prol de uma suposta superioridade greco-romana. Com isso, o texto de Plutarco e a história de Cleópatra são repensados, dando às discussões um enfoque mais periférico e propondo uma abordagem que considere as trocas culturais em detrimento de uma hierarquização cultural.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1543236 - MARCIA SEVERINA VASQUES
Interno - 1518086 - FRANCISCO DAS CHAGAS FERNANDES SANTIAGO JUNIOR
Interna - 2009382 - LYVIA VASCONCELOS BAPTISTA
Externa ao Programa - 2371256 - AIRAN DOS SANTOS BORGES DE OLIVEIRA
Notícia cadastrada em: 19/08/2019 17:30
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa18-producao.info.ufrn.br.sigaa18-producao