Banca de QUALIFICAÇÃO: TABATTA CRISTINE CHAVES DE LIMA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: TABATTA CRISTINE CHAVES DE LIMA
DATA: 16/12/2013
HORA: 14:00
LOCAL: Setor IV, Bloco I, Sala 2 (Campus Central da UFRN)
TÍTULO:

ESTUDO DO POLIMORFISMO NO GENE DA BETA-CASEÍNA EM REBANHOS ZEBUÍNOS LEITEIROS NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE


PALAVRAS-CHAVES:

produção de leite, alergia, leite A2, sequenciamento


PÁGINAS: 49
GRANDE ÁREA: Ciências Agrárias
ÁREA: Zootecnia
SUBÁREA: Produção Animal
RESUMO:

Diversos problemas vêm sendo relacionados ao leite, destacando-se os problemas alergênicos, ocasionados pela reação imunológica do corpo às proteínas lácteas. Sabendo-se disto e da importância do leite como fonte de proteína de origem animal, encontrar soluções para tais fatos são extremamente necessárias. Estudos apontam que as raças zebuínas apresentam alta frequência do alelo A2 da β-caseína. Este alelo em homozigose propicia um leite não nocivo à saúde humana, mostrando a importância fisiológica de sua detecção. Neste contexto, este estudo teve como objetivo identificar a presença das variantes alélicas A1 e A2 da β-caseína em rebanhos zebuínos leiteiros e correlacioná-los com características produtivas. Foram utilizados 156 animais zebuínos leiteiros (68 da raça Gir e 88 da raça Guzerá) provenientes do rebanho da Estação Experimental Felipe Camarão - EMPARN. As análises para detecção do polimorfismo foram realizadas no Laboratório de Biotecnologia Animal – ESALQ/USP. As extrações de DNA foram feitas a partir do folículo piloso dos animais, os primers foram delineados e o gene amplificado e sequenciado pelo método de Sanger. As sequências obtidas foram visualizadas e analisadas utilizando-se ferramentas de bioinformática.  Resultados parciais comprovam a alta frequência do alelo A2 na raça Gir e Guzerá, portanto pode-se afirmar que é possível produzir um leite não alergênico com as raças estudadas. Após as análises das freqüências genotípicas e alélicas, será feita a correlação da presença dos alelos A1 e A2 com a produção de leite e porcentagem de gordura e proteína. Este trabalho é de grande importância, pois raras são as pesquisas que vêm sendo desenvolvidas a cerca deste fato e a seleção de raças que apresentam este alelo com alta frequência, desponta como uma alternativa viável para a produção de um leite não alergênico. 


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2313454 - ADRIANO HENRIQUE DO NASCIMENTO RANGEL
Interno - 1714262 - LILIAN GIOTTO ZAROS DE MEDEIROS
Interno - 1306682 - LUIS HENRIQUE FERNANDES BORBA
Notícia cadastrada em: 06/12/2013 11:31
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2021 - UFRN - sigaa24-producao.info.ufrn.br.sigaa24-producao