Banca de DEFESA: LETÍCIA DE SOUZA AMARAL

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : LETÍCIA DE SOUZA AMARAL
DATA : 01/10/2020
HORA: 09:00
LOCAL: https://meet.google.com/qic-aoqz-kup
TÍTULO:

CIRCUITOS CURTOS DE COMERCIALIZAÇÃO NO CONTEXTO DO SISTEMA AGROALIMENTAR ALTERNATIVO: UM ESTUDO A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DA CENTRAL DE COMERCIALIZAÇÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR E ECONOMIA SOLIDÁRIA NO RIO GRANDE DO NORTE (CECAFES)


PALAVRAS-CHAVES:

Sistema Agroalimentar Alternativo; Circuitos Curtos de Comercialização; Consumidores; Produtores. 


PÁGINAS: 165
RESUMO:

Atualmente, segundo muitos estudiosos da área, observa-se um crescimento impressionante de uma variedade de novos circuitos de produção e comércio de alimentos, que se situam fora do modelo de agricultura convencional. A exemplo disso tem-se os circuitos curtos de comercialização (CCC). Esses buscam construir uma relação direta entre produtores e consumidores.  Essa iniciativa é concebida, por governos, organizações da sociedade civil e a academia, como estratégia importante na conformação de um sistema agroalimentar alternativo.   As pesquisas a respeito dessa temática ainda são bastante concentradas no hemisfério norte. Apesar disso, é possível verificar o quanto os circuitos curtos de comercialização seguem ganhando espaço no hemisfério sul e diante disso, demanda-se estudos que possam refletir em cima desse novo cenário e explicar as especificidades que norteiam essa discussão .Dentro desse contexto, o objetivo desta pesquisa é compreender a dinâmica dos Circuitos Curtos de Comercialização, tomando como referência a experiência da CECAFES no Rio Grande do Norte. Este trabalho tem um caráter exploratório e descritivo, e foi utilizado a“triangulação intermétodos”. Entre as técnicas, foram adotadas as observações de campo, entrevistas com questões fechadas e questões e abertas (com trinta produtores e cem consumidores) e semiestruturas, com quatro atores.  Os resultados mostram que a opção do consumidor por esse tipo de mercado é orientada, em grande medida, por preocupações ligadas à sua própria saúde, pelos baixos preços ou comodidade na locomoção, revelando pouco compromisso socioambiental. Pode-se dizer que a maior parte dos produtores tem seguindo um caminho em busca de um sistema agroalimentar alternativo e que esse processo tem se dado em parte, pela exigência da própria instituição e parceiras, e por outro lado, pelo consumidor, que tem buscado alimentos mais saudáveis. Esse consumidor tem uma forte relação de confiança com os produtores, a exemplo disso, eles consideram mais relevante a palavra do agricultor do que a certificação.  Somado a isso, os produtores estão tendo maior autonomia nos seus trabalhos, e a certeza que vão receber pelo produto vendido. Vale ressaltar que, uma pequena parte dos produtores compram alimentos a fornecedores que não são agricultores familiares. Outro ponto que merece destaque é que a Central ainda não garante, para parte significativa dos produtores, um retorno financeiro satisfatório. A partir desse cenário, o que se tem é que a CECAFES é uma pequena semente, disposta a resistir, mesmo que seja diante dos “impérios agroalimentares” (PLOEG, 2008).


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - MIGUEL ANGELO PERONI - UTFPR
Presidente - 1121285 - FERNANDO BASTOS COSTA
Interna - 1715135 - JOANA TEREZA VAZ DE MOURA
Externo à Instituição - JOAQUIM PINHEIRO DE ARAUJO - UFERSA
Externo ao Programa - 1221864 - THALES AUGUSTO MEDEIROS PENHA
Notícia cadastrada em: 10/09/2020 15:02
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa25-producao.info.ufrn.br.sigaa25-producao