Banca de QUALIFICAÇÃO: RYLANNEIVE LEONARDO PONTES TEIXEIRA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : RYLANNEIVE LEONARDO PONTES TEIXEIRA
DATA : 23/04/2018
HORA: 14:00
LOCAL: Auditório 1 - DPP
TÍTULO:

Adaptação às mudanças climáticas: entre possibilidades e desafios nas cidades de Natal/RN e Curitiba/PR


PALAVRAS-CHAVES:

Adaptação. Cidades. Mudanças climáticas. Resiliência. Vulnerabilidade e riscos


PÁGINAS: 77
RESUMO:

O debate sobre cidades e mudanças climáticas vem ganhando destaque à nível mundial, com origem em diversas redes de cidades como o ICLEI. O problema do clima é global, mas as cidades apresentam grande responsabilidade pois concentrarem maior população e atividades econômicas, atraindo meios de transporte que são potencialmente poluentes. Neste sentido, compreender como as cidades atuam sobre as mudanças climáticas é uma questão fundamental no contexto de construção de uma cidade com capacidade de adaptação e resiliência climáticas. Sendo assim, a presente dissertação de mestrado tem por objetivo compreender como o planejamento urbano pode contribuir para a construção da capacidade de adaptação e resiliência às mudanças climáticas nas cidades de Natal e Curitiba. Para tanto, a metodologia, seguindo as orientações de uma pesquisa interdisciplinar, apresenta uma abordagem de natureza qualitativa, utilizando-se de pesquisa documental, de entrevistas semiestruturadas como instrumento de pesquisa de campo, além do Índice de Vulnerabilidade Sócio-Climática. Como técnica de análise dos dados obtidos com a aplicação dessas entrevistas, tem-se a análise de conteúdo, fazendo uso do software NVivo 11 Pro como ferramenta para facilitar a análise dos dados e permitir uma maior profundidade das análises. Toda pesquisa de campo teve início em agosto de 2017, com continuidade até meados de setembro de 2018. Ao fim dessa pesquisa, espera-se, dentre outros elementos, identificar as iniciativas de planejamento urbano e gestão urbana voltadas às mudanças climáticas nas cidades estudadas, perceber as conexões dos planos diretores de cada cidade com as questões do clima, e verificar o atual potencial de adaptação e resiliência das cidades em estudo frente às mudanças climáticas. À priori, conclui-se que as cidades brasileiras se apresentam bem incipientes no que cerne a adaptação e resiliência climáticas em função especial à falta de consciência institucional por parte da gestão municipal, no entanto, algumas dessas cidades vêm se mostrando preocupadas com os possíveis efeitos das mudanças climáticas e, para responde-los, buscam por medidas de mitigação e/ou adaptação.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2374871 - ZORAIDE SOUZA PESSOA
Interno - 347943 - RITA DE CASSIA DA CONCEICAO GOMES
Externo ao Programa - 1503011 - LUTIANE QUEIROZ DE ALMEIDA
Externo à Instituição - GABRIELA MARQUES DI GIULIO - USP
Notícia cadastrada em: 09/04/2018 08:22
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa04-producao.info.ufrn.br.sigaa04-producao