Banca de QUALIFICAÇÃO: DIEGO FILGUEIRA ALBUQUERQUE

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : DIEGO FILGUEIRA ALBUQUERQUE
DATA : 25/10/2018
HORA: 10:00
LOCAL: Auditório do Programa de Pós-graduação em Biologia estrutural e Funcional
TÍTULO:

PROLIFERAÇÃO E VIABILIDADE DE QUERATINÓCITOS E FIBROBLASTOS CULTIVADOS SOBRE ARCABOUÇOS DE QUITOSANA E SUBMETIDOS A LASERTERAPIA


PALAVRAS-CHAVES:

Engenharia tecidual; pele; biomateriais; laserterapia; proliferação celular


PÁGINAS: 60
RESUMO:

O reparo de feridas é um dos processos biológicos mais complexos que ocorrem durante a vida, onde múltiplas vias biológicas são ativadas e sincronizadas para responder à uma lesão. Na pele, algumas lesões podem permanecer por um longo período de tempo ou até mesmo serem definitivas e causarem sequelas físicas, psicológicas e sociais. Os avanços recentes em biotecnologia podem fornecer novas ferramentas para a terapia dessas lesões, destacando-se neste sentido a engenharia tecidual, uma ciência que combina o uso de biomateriais, células e fatores estimuladores para reparar os órgãos lesionados. O laser de baixa intensidade tem sido utilizado em experimentos com objetivo de estimular a proliferação de diferentes tipos celulares, representando uma ferramenta potencial para uso nas técnicas de engenharia tecidual. Para que as células proliferem e se diferenciem in vitro é necessário o desenvolvimento de um microambiente favorável, o qual pode ser fornecido por um biomaterial que mimetize a matriz extracelular natural, destacando-se para esta finalidade a quitosana por suas propriedades mecânicas e biológicas. O objetivo deste estudo é avaliar a influência da laserterapia na proliferação e viabilidade de queratinócitos e fibroblastos cultivadas sobre arcabouços de quitosana. Células HaCaT (queratinócitos) e NIH-3T3 (fibroblastos) serão cultivadas isoladamente sobre filmes de quitosana e os arcabouços serão divididos em dois grupos: C - controle sem irradiação; e L – células irradiadas com laser diodo (InGaAlP; comprimento de onda de 660 nm; potência de 30 Mw, em dose única de 1 J/cm²). A viabilidade e proliferação celular será avaliada nos intervalos de 24, 48 e 72 horas após a irradiação, através dos ensaios do Alamar Blue e Live/Dead. A morfologia celular será avaliada por MEV no intervalo de 72 horas. Os dados quantitativos serão submetidos a testes estatísticos, com nível de significância de 5%.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2220417 - CARLOS AUGUSTO GALVAO BARBOZA
Interno - 2477216 - NAISANDRA BEZERRA DA SILVA FARIAS
Externo ao Programa - 2859541 - PEDRO PAULO DE ANDRADE SANTOS
Notícia cadastrada em: 19/10/2018 16:41
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa25-producao.info.ufrn.br.sigaa25-producao