Banca de DEFESA: RODRIGO SERAFIM DE ARAUJO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : RODRIGO SERAFIM DE ARAUJO
DATA : 26/12/2016
HORA: 08:30
LOCAL: Sala de Reuniões do Departamento de Morfologia
TÍTULO:

Morfologia e morfometria epididimária do morcego Artibeus planirostris (Chiroptera: Phyllostomidae)


PALAVRAS-CHAVES:

Sazonalidade reprodutiva, morcegos, epidídimo.


PÁGINAS: 3454
RESUMO:

Embora os estudos sobre a biologia reprodutiva de morcegos tenham se intensificado no Brasil, para muitas espécies e em várias regiões do país as informações ainda são escassas, como é o caso de Artibeus planirostris. Objetivou-se assim compreender os parâmetros reprodutivos desta espécie a partir da análise morfológica e morfométrica do epidídimo. Foram utilizados 16 animais adultos, coletados durante as estações seca (n=08) e chuvosa (n=08) de 2014. As capturas foram realizadas ao anoitecer no campus central da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (Natal-RN) (autorização SISBIO no 25233-1), utilizando-se redes de neblina. Após anestesia e eutanásia por perfusão transcardíaca, utilizando-se paraformaldeído a 4%, foi realizada a coleta dos epidídimos (autorização CEUA/UFRN no 009/2012), seguido de processamento histológico para inclusão em historesina e análise sob microscopia de luz. Análises morfométricas dos componentes do parênquima epididimário foram realizadas a partir da captura de imagens das lâminas histológicas, utilizando o software Image-Pro Plus. Os resultados foram submetidos à ANOVA, sendo as médias comparadas pelo teste de Student-Newman-Keuls ao nível de significância de 5%, seguido do pós-teste de Tukey. Nas duas estações analisadas, a avaliação morfológica do epidídimo revelou que o órgão apresentou-se dividido em 4 regiões principais: segmento inicial, cabeça, corpo e cauda. O parênquima apresentou-se composto predominantemente por túbulos epididimários, sustentados por tecido conjuntivo intertubular. Ao longo das três porções epididimárias os túbulos ocuparam 75,07±2,94% do parênquima na estação chuvosa e 67,23±2,44% na estação seca, sendo seus percentuais nas regiões da cabeça e corpo significativamente maiores na estação chuvosa em relação à estação seca. O restante do parênquima foi representado pela região intertubular, que apresentou redução proporcional nas mesmas regiões e estações. Os túbulos foram constituídos por epitélio pseudoestratificado cilíndrico com estereocílios, apoiado sobre uma membrana basal, e lúmen. O epitélio epididimário foi o principal componente do túbulo epididimário, sendo que na região da cauda seu percentual foi maior na estação seca (27,58±8,33%) em relação à chuvosa (17,79±4,33%). Este epitélio apresentou-se composto pelas células principais (PR), basais (BA), estreitas (ES), halo (HA), claras (CL) e apicais (AP), sendo que a primeira e a última apresentaram, respectivamente, maior e menor distribuição em todas as regiões epididimárias nas duas estações. Tanto na região da cabeça quanto da cauda, as células PR foram as mais predominantes no epitélio epididimário na estação seca em relação à estação chuvosa, enquanto as células BA foram mais predominantes na estação chuvosa, tanto na cabeça quanto na cauda. As células AP apresentaram maior distribuição na cabeça do epidídimo durante a estação chuvosa, enquanto as células ES apresentaram maior distribuição no corpo do epidídimo na estação seca. Observou-se aumento gradativo em diversos parâmetros da cabeça em direção à cauda, tais como o diâmetro dos túbulos epididimários, diâmetro do lúmen e seu percentual com espermatozoides e da camada de células musculares lisas ao redor dos túbulos epididimários, contrastando com a diminuição na altura do epitélio. Muitos destes parâmetros apresentaram maiores valores na estação chuvosa em relação à estação seca. Conclui-se que o epidídimo de A. planirostris apresentou-se, de um modo geral, semelhante ao descrito para outros mamíferos. Foram encontrados espermatozoides no lúmen dos túbulos epididimários em todos os períodos do ano, especialmente na região da cauda, mostrando assim um padrão reprodutivo anual contínuo, com picos de reprodução na estação chuvosa.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1330828 - CARLOS EDUARDO BEZERRA DE MOURA
Presidente - 1718086 - DANIELLE BARBOSA MORAIS
Externo à Instituição - SERGIO LUIS PINTO DA MATTA - UFV
Notícia cadastrada em: 06/12/2016 10:36
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa17-producao.info.ufrn.br.sigaa17-producao