Banca de DEFESA: ALDO FONSECA DE SOUZA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ALDO FONSECA DE SOUZA
DATA: 30/08/2015
HORA: 08:30
LOCAL: Auditório do Departamento de Morfologia
TÍTULO:

INVESTIGAÇÃO DO PAPEL DE RECEPTORES DO TIPO 5-HT7 DA SUBSTÂNCIA CINZENTA PERIAQUEDUTAL DORSAL NA MODULAÇÃO DE COMPORTAMENTOS RELACIONADOS À ANSIEDADE


PALAVRAS-CHAVES:

Ansiedade; receptor 5-HT7; labirinto em cruz elevado; periaquedutal dorsal


PÁGINAS: 70
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Farmacologia
SUBÁREA: Neuropsicofarmacologia
RESUMO:

A ansiedade, embora conceituada como um sentimento vago e desagradável de medo e apreensão derivados de antecipação de perigo de algo desconhecido ou estranho, é também caracterizada como um estado emocional de grande valor adaptativo. Dentre os sistemas de neurotransmissão envolvidos na expressão de comportamentos relacionados à ansiedade, o sistema serotoninérgico tem sido amplamente estudado. Considerando a presença do receptor de serotonina do tipo 7 (5-HT7) na porção dorsal da substância cinzenta periaquedutal (DPAG), uma estrutura bastante implicada nos comportamentos defensivos, o presente estudo verificou se a manipulação farmacológica do receptor 5-HT7 alteraria as respostas comportamentais relacionadas à ansiedade em ratos. Ratos Wistar (90±5 dias) foram submetidos a dois protocolos experimentais. No experimento 1, ratos submetidos à cirurgia estereotáxica para implante de cânula-guia receberam a administração intra-DPAG de veículo (Salina + DMSO) ou do agonista de receptores 5-HT7 AS19 nas doses de 0,05, 0,1 e 0,2 μg. Cinco minutos após a administração, os animais foram testados no labirinto em cruz elevado (LCE). Vinte e quatro horas depois, estes mesmos animais passaram pelo teste do campo aberto. Já no experimento 2, os animais receberam a infusão do antagonista de receptor 5-HT7 SB 269970 (5, 10 ou 20 nmols) ou veículo seguida de administração intra-DPAG do agonista AS19 (0,1 μg) ou veículo previamente aos testes comportamentais. Os resultados mostraram que, quando administrado isoladamente, o agonista AS19 na dose de 0,1 μg, mas não nas doses de 0,05 e 0,2 μg, diminuiu a porcentagem de entradas e tempo gasto nos braços abertos do LCE, sugerindo efeito do tipo ansiogênico. A administração intra-DPAG do antagonista SB 269970 na dose de 10 nmols promoveu efeito do tipo ansiolítico, quando observado o aumento na porcentagem de tempo gasto nos braços abertos do LCE. Este efeito foi revertido pela administração do agonista AS19 na dose de 0,1 μg. Nenhuma das drogas testadas alterou parâmetros de locomoção analisados no teste do campo aberto, sugerindo que os efeitos relacionados à ansiedade não estejam associados a alterações na locomoção dos animais. Os dados aqui obtidos permitem a conclusão de que receptores do tipo 5-HT7 da DPAG, quando ativados, modulam um efeito do tipo ansiogênico. Ainda, o bloqueio de receptores 5-HT7 nesta área favorece um efeito do tipo ansiolítico, que vem sendo descrito na literatura após a administração periférica de antagonistas destes receptores.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1645202 - ELAINE CRISTINA GAVIOLI
Externo à Instituição - JANAINA MENEZES ZANOVELI - UFPR
Presidente - 1720860 - VANESSA DE PAULA SOARES RACHETTI
Notícia cadastrada em: 10/08/2015 10:56
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa19-producao.info.ufrn.br.sigaa19-producao