Banca de QUALIFICAÇÃO: MARÍLIA FABIANA PIMENTEL DE OLIVEIRA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: MARÍLIA FABIANA PIMENTEL DE OLIVEIRA
DATA: 27/11/2014
HORA: 14:00
LOCAL: Sala dos epitélios ST1
TÍTULO:

Ação da Suplementação Com Ácido Ascórbico Na Morfologia do
Miocárdio de Camundongos mdx.


PALAVRAS-CHAVES:

Distrofia Muscular de Duchenne, Vitamina C, Miocárdio, Aspectos
Morfofuncionais.


PÁGINAS: 31
GRANDE ÁREA: Ciências Biológicas
ÁREA: Morfologia
SUBÁREA: Histologia
RESUMO:

ao cromossomo X caracterizada pela ausência da distrofina, sendo o camundongo mdx
amplamente utilizado como modelo animal para estudos com Duchenne. Acometendo um em
cada 3.500 nascidos vivos do sexo masculino, a DMD induz a uma miopatia grave,
determinando lesões e necrose muscular. Considerando-se a direta relação desta distrofia com
o tecido muscular em geral, este trabalho tem por objetivo analisar quais alterações
morfológicas são decorrentes da DMD no miocárdio, bem como, o efeito protetor
antioxidante da vitamina C (ácido ascórbico - AA) nestes parâmetros. Para tanto, foram
utilizados 15 animais machos distróficos (C57BL/10-Dmdmdx) e 15 normais (C57BL/10)
divididos inicialmente nos seguintes grupos, de acordo com a idade (n=5): controle com 30
dias de idade (GC30), distrófico com 30 dias de idade (GD30), controle com 60 dias de idade
(GC60), distrófico com 60 dias de idade (GD60). Os animais dos grupos GC30 e GD30 que,
a partir do 31º dia foram suplementados com 0,05g de ácido ascórbico/dia via gavagem e,
mantidos até atingirem 60 dias de vida e, constituíram respectivamente, os grupos GCS60
(n=5) e GDS60 (n=5). O tecido cardíaco (miocárdio) será analisado pelas técnicas de HE,
Tricrômico de Masson e Picrosirius Red, além de Imunohistoquímica para marcação da
expressão de COX-2. Nos achados preliminares podemos observar em relação a densidade de
área dos cardiomiócitos que a suplementação com AA nos grupos GCS60 e GDS60 foi
estatisticamente maior que no grupo GC30, sendo que em relação a seus respectivos grupos
controle GCS60 foi maior que GC60 (P>0,05) e GDS60 foi menor que o GD60 (P>0,05). Em
relação à densidade de área do colágeno, observamos que este aumento do grupo GC30 para o
GC60 (P>0,05), diminuiu de GD60 em relação ao GD30 (P>0,05) e manteve-se na mesma
proporção na comparação entre os grupos GCS60 e GDS60 (P>0,05).


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1544854 - NAIANNE KELLY CLEBIS
Externo ao Programa - 1837354 - JULLIANE TAMARA ARAUJO DE MELO
Externo ao Programa - 1573810 - KARINNA VERISSIMO MEIRA TAVEIRA
Notícia cadastrada em: 20/11/2014 13:39
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa25-producao.info.ufrn.br.sigaa25-producao