Banca de QUALIFICAÇÃO: ANA PAULA DE SOUZA SANTOS

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ANA PAULA DE SOUZA SANTOS
DATA : 15/10/2018
HORA: 14:00
LOCAL: Sala de videoconferência William Pinheiro, Prédio da Tocoginecologia – 3º andar
TÍTULO:

Utilização da Aprendizagem baseada em Equipes (ABE) na capacitação de profissionais de enfermagem: contribuições para os conhecimentos e práticas sobre termorregulação neonatal.


PALAVRAS-CHAVES:

Aprendizagem ativa; capacitação em serviço; termorregulação; recém-nascido


PÁGINAS: 60
RESUMO:

A qualidade da assistência requer capacitações em serviço que promovam a garantia de cuidados seguros ao recém-nascido. Existe uma lacuna do conhecimento em neonatologia que denota a necessidade de atividades de educação permanente dos profissionais de saúde, por meio de metodologias ativas que problematizem a formação no ambiente de trabalho e estimulem a aprendizagem significativa. O Team Based Learning (TBL) é um método de aprendizagem dinâmico, baseado em equipes, que proporciona um ambiente motivador e cooperativo. Objetivo: Analisar a apreensão do conhecimento e de habilidades sobre termorregulação neonatal em técnicos de enfermagem após capacitação baseada no TBL. Métodos: Estudo exploratório, quase-experimental, com dados quanti-qualitativos, envolvendo técnicos de enfermagem de uma Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN). Resultados: Os dados sobre a capacitação em TBL revelaram que, na avaliação de preparo individual, os profissionais tiveram pontuações de 15 a 28 pontos, com mediana de 19 (47,5% do total de 40 pontos), considerado um desempenho insuficiente. Já em equipe, as pontuações variaram de 29 a 35 pontos e mediana de 30 (75%), em que todos foram considerados "suficientes". Foi aplicado um questionário após 6 meses da intervenção para avaliar os conhecimentos dos profissionais sobre o tema estudado. Esse evidenciou pontuações de 7 a 10 (70% a 100% da pontuação máxima de 10 acertos), com mediana de 8, ou seja, um desempenho superior ao alcançado no mesmo questionário pré-intervenção, com acertos de 5 a 8 questões (50% a 80%). A análise evidenciou significância estatística, em que o teste de Wilcoxon, considerando p<0,05 e confiança de 95%, mostrou que as pontuações em equipe do TBL foram superiores às pontuações individuais, pois Z =-2,93 e valor p = 0,003. O mesmo ocorreu com os acertos do questionário pré e pós-intervenção que também tiveram diferenças, uma vez que Z = -2,87 e p = 0,004. Os profissionais também foram avaliados no tocante às habilidades nos cuidados com a termorregulação do recém-nascido após 6 meses da intervenção, segundo um modelo elaborado de DOPS (Observação Direta de Habilidades Procedurais). As avaliações encontraram que 90,9% das observações com relação a aferição da temperatura do recém-nascido e ao registro foi "excelente"; 81,8% realizaram aferição da temperatura axilar do neonato na admissão na Uti neonatal; 90,9% pré-aqueceu a incubadora ou berço antes da admissão ou troca do equipamento. A umidificação da incubadora não foi muito frequente nas observações, pois apenas 18,2% utilizaram-na de forma "ótima" e 27,3% não ativaram ou usaram inadequadamente. Em relação à ocorrência de hipotermia no recém-nascido, todos os participantes realizaram cuidados para a sua reversão, em que 73,4% das observações da assistência prestada foram "excelentes” ou “ótima”. Os dados coletados sobre a percepção dos profissionais referente à capacitação com o uso do TBL mostraram que todos “concordaram” ou “concordaram totalmente” com o uso da metodologia, com a aprendizagem ter sido significativa e que o treinamento despertou o interesse em estudar mais sobre o assunto. Conclusão: O uso do TBL mostrou-se um método de ensino viável para aplicação em atividades de educação permanente de profissionais de saúde. A capacitação permitiu identificar lacunas do conhecimento e direcionar o feedback da aprendizagem, evidenciou diferença estatística na apreensão dos conhecimentos teóricos e uma avaliação satisfatória das habilidades após a intervenção. O estudo permitiu a implantação de Procedimento Operacional Padrão sobre Termorregulação neonatal, o desenvolvimento de proposta de plano de aula para sessões em TBL realizadas na educação permanente e sugere o modelo de DOPS como instrumento avaliativo da implementação de protocolos assistenciais por profissionais de saúde no local do estudo.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 2072824 - MARCELO DOS SANTOS
Interno - 3050262 - MARCELO VIANA DA COSTA
Externo ao Programa - 3168491 - NILBA LIMA DE SOUZA
Notícia cadastrada em: 04/10/2018 14:35
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa06-producao.info.ufrn.br.sigaa06-producao