PPGMUS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MÚSICA ESCOLA DE MÚSICA Telefone/Ramal: (84) 99474-6734 https://posgraduacao.ufrn.br/ppgmus

Banca de DEFESA: EMERSON CARPEGIANNE DE SOUZA MARTINS



Uma banca de DEFESA DE MESTRADO foi cadastrada pelo programa.

DISCENTE: EMERSON CARPEGIANNE DE SOUZA MARTINS
DATA: 18/05/2016
HORA: 14:00
LOCAL: Sala 22 Escola de Música da UFRN
TÍTULO:

O ensino e aprendizagem de música no projeto Conexão Felipe Camarão: estudo de caso


RESUMO:

O presente trabalho é resultado da pesquisa a respeito das práticas de ensino de música tradicionais no contexto do projeto social Conexão Felipe Camarão da Organização Não-Governamental (ONG) TerrAmar, Zona Oeste de Natal-RN. Desse modo, são apresentados dados da localização do projeto (KISIL, 20002) - conceito, questões sociais da comunidade, acessibilidade, descrições das oficinas, brincadeiras do folclore local, como o Boi de reis do Mestre Manoel Marinheiro, o Mamulengo de Chico Daniel e a Capoeira de Angola do Mestre Marcos e demais atividades de ensino nas oficinas de música do projeto. O aporte teórico perpassa a história da música (FONTERRADA,2005); (SANTIAGO, 2008) e a Educação Musical (ARROYO, 1990; 1999; 2000; 2002), (PENNA, 2002; 2008); (BELLOCHIO, 2003). E nesse sentido, adentrando a questões da educação básica (BEINEKE, 2015), diversidade e contextos de ensino de música em projetos sociais e ONGs (ALDA, 2003; 2006), (DEL-BEM, 2003), (KLEBER, 2006; 2011; 2015) e do ensino de música popular (GREEN, 2012) e práticas sociais de ensino de música (SOUZA, 2004). Assim, se configurando em pesquisa de natureza qualitativa (BRESLER, 2007), (GASKEL, 2002) com especulações nos campos ditos não-formais e informais de transmissão e troca de conhecimento musical (WILLE, 2003), (GOHN, 2006), perfazendo o construto de estudo de caso (CRESWELL, 2011) do Conexão Felipe Camarão, onde encontramos a realidade de um projeto que lida com mestres e brincadeiras de tradição oral, professores de instrumentos e alunos da comunidade em processos de ensino e aprendizagem. Apresentamos discussões a partir do cruzamentos dos dados coletados em entrevistas e observações do campo com vistas nos processos peculiares de ensino. Concluímos que os repertórios das brincadeiras são vividos nas salas de aula em grupo, ensaios e apresentações e o processo de ensino é o que mais importa para uma ampla aprendizagem das culturas orais de tradição. E que esses resultados surgem como contribuições para a formação de professores da área da educação musical, pois lidar com realidades de repertórios de cultura popular implica abrir espaço para construir junto o aprendizado que é processual.


PALAVRAS-CHAVE:

Música; educação musical; ensino; aprendizagem; música de tradição oral; repertórios.


PÁGINAS: 196
GRANDE ÁREA: Lingüística, Letras e Artes
ÁREA: Artes
SUBÁREA: Música

MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1127895 - AGOSTINHO JORGE DE LIMA
Externo à Instituição - GIANN MENDES RIBEIRO - UERN
Interno - 1149577 - VALERIA LAZARO DE CARVALHO
Notícia cadastrada em: 05/05/2016 08:10
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa02-producao.info.ufrn.br.sigaa02-producao