Banca de DEFESA: ADRIANA SBROGGIO DE SOUSA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ADRIANA SBROGGIO DE SOUSA
DATA: 28/05/2014
HORA: 14:30
LOCAL: Mini-auditório do PPGAU
TÍTULO:

TÍTULO: ARQUITETURA BIOCLIMÁTICA PARA INSTITUIÇÃO DE ENSINO FUNDAMENTAL EM SÃO GONÇALO DO AMARANTE/RN

 


PALAVRAS-CHAVES:

Palavras-chave: Projeto Arquitetônico. Edifícios Educacionais. Arquitetura Bioclimática. Vegetação.


PÁGINAS: 261
GRANDE ÁREA: Ciências Sociais Aplicadas
ÁREA: Arquitetura e Urbanismo
RESUMO:

RESUMO

No processo de projeto de uma edificação devem-se considerar as variações climáticas da região, os condicionantes externos e a utilização dos recursos disponíveis na natureza, como o sol, a vegetação, a chuva e os ventos, para prover um ambiente construído com conforto ambiental e com gasto energético reduzido. Porém, a crescente urbanização, muitas vezes com uma ocupação de solo desordenada, vem desconsiderando esses conhecimentos e desrespeitando as características locais, reduzindo drasticamente as áreas verdes. Esta ocupação desordenada, associada à redução de espaços verdes, vem modificando os aspectos do clima e, consequentemente, prejudicando o conforto térmico dos usuários. Perante esse panorama nasceu o questionamento: Quais estratégias projetuais podem trazer melhores condições térmicas a uma edificação educacional situada em região de clima quente e úmido? Assim, diante de dois importantes assuntos, educação e conforto ambiental, a pesquisa justifica-se pelo fato de existir uma grande demanda nacional por ampliações e reformas nas suas redes públicas de ensino, mas que na maioria não oferece aos alunos espaços com qualidade para o bom desenvolvimento da aprendizagem.  O presente trabalho tem como objetivo a elaboração de um projeto para instituição de Ensino Fundamental com a aplicação dos conceitos da bioclimatologia, destacando o uso da vegetação como elemento regulador do clima. Inicialmente realizou-se uma pesquisa bibliográfica, analisou-se soluções arquitetônicas e definiu-se o local. Na fase seguinte, denominada de compreensão, foram levantadas as leis, normas e os condicionantes ambientais. Posteriormente, foi definido o programa de necessidades e o desenvolvimento do projeto arquitetônico. A conclusão desse trabalho apresenta a definição de critérios e soluções para o emprego da vegetação, para projetos de arquitetura bioclimática em climas quente e úmido e contribui com um catálogo de espécies vegetais para as escolas da região metropolitana do Natal, RN.

 

 

 

 


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 3549781 - BIANCA CARLA DANTAS DE ARAUJO
Externo à Instituição - LEONARDO SALAZAR BITTENCOURT - UFAL
Presidente - 1804939 - SOLANGE VIRGINIA GALARCA GOULART
Interno - 347627 - VIRGINIA MARIA DANTAS DE ARAUJO
Notícia cadastrada em: 09/05/2014 12:21
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa20-producao.info.ufrn.br.sigaa20-producao