Banca de DEFESA: BARBARA TEIXEIRA CAMPOS DE NEGREIROS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : BARBARA TEIXEIRA CAMPOS DE NEGREIROS
DATA : 28/09/2021
HORA: 08:30
LOCAL: meet.google.com/aum-wdjr-rjg
TÍTULO:

RESILIÊNCIA, ESTRESSE OCUPACIONAL E CAPACIDADE PARA O TRABALHO EM PROFISSIONAIS DE SAÚDE DURANTE A PANDEMIA DA COVID-19


PALAVRAS-CHAVES:

Profissionais de saúde; Pandemia; Resiliência; Trabalho; Estresse Ocupacional.


PÁGINAS: 97
RESUMO:

Os profissionais de saúde são considerados uma das categorias mais expostas a riscos de adoecimento, em virtude das características inerentes à natureza laboral. Esse contexto se agravou com a pandemia da COVID-19, submetendo essa classe a uma sobrecarga de trabalho, risco acentuado de adoecimento e ao afastamento de sua rotina. Dessa forma, o objetivo desse estudo é investigar a relação entre resiliência, estresse ocupacional e a capacidade para o trabalho nos profissionais que atuam no cuidado direto a pacientes com COVID-19. Trata-se de uma pesquisa quantitativa, transversal e correlacional com 91 colaboradores (enfermeiros, técnicos de enfermagem, médicos e fisioterapeutas) de um hospital de referência no Rio Grande do Norte. Os funcionários responderam um Questionário Sociodemográfico (dados sociais e de contexto laboral), a Connor-Davidson Resilience Scale, a Escala de Estresse no Trabalho e o Índice de Capacidade para o Trabalho. Os resultados indicaram baixos níveis nos constructos de resiliência e estresse ocupacional, e uma boa capacidade para o trabalho da amostra total. Referente ao instrumento de resiliência, esse apresentou associação significativa com os enfermeiros e demais participantes do gênero feminino, ambos apresentando baixa resiliência. No tocante ao estresse laboral, as enfermeiras, juntamente com os técnicos de enfermagem, demostraram risco diante alto nível de estresse. Para mais, a análise de agrupamento evidenciou a existência de três clusters que se distribuem pelos diferentes escores nas escalas, com destaque para o Cluster 1, que apresentou valores críticos em todos os instrumentos e denotou o sofrimento frente a vivência laboral e a necessidade de intervenções. Verifica-se que as vivências cotidianas das equipes de saúde durante a pandemia, influenciaram a percepção do trabalho e de sua capacidade em lidar ou superar as adversidades. Outro aspecto relevante está na funcionalidade e recursos físicos e mentais para realizar suas atividades laborais.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 347027 - EULALIA MARIA CHAVES MAIA
Externa ao Programa - 2644228 - SIMONE DA NOBREGA TOMAZ MOREIRA
Externo à Instituição - RODRIGO DA SILVA MAIA - UFC
Notícia cadastrada em: 15/09/2021 13:21
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2021 - UFRN - sigaa19-producao.info.ufrn.br.sigaa19-producao