Banca de QUALIFICAÇÃO: FRANCISCO ALEXANDRINO JÚNIOR

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : FRANCISCO ALEXANDRINO JÚNIOR
DATA : 03/06/2019
HORA: 15:00
LOCAL: Faculdade de Farmácia - Sala 2 do PPGCF
TÍTULO:

Desenvolvimento de Sistemas Terapêuticos para Leishmaniose Cutânea: Uma Abordagem Físico-Química


PALAVRAS-CHAVES:

Anfotericina B; leishmaniose; microemulsão; pele; estabilidade


PÁGINAS: 106
RESUMO:

Esta tese é parte dos esforços do grupo para desenvolver alternativas terapêuticas contendo anfotericina B (AmB) para o tratamento da leishmaniose. Uma vez que a instabilidade da AmB, quando presente em meio aquoso, é um mecanismo complexo, dependente de fatores como o estado de agregação, grau de ionização (pKa) e pH do meio, o primeiro capítulo objetivou determinar os valores de pKa através do gráfico de Bjerrum, auxiliando na compreensão dos mecanismos envolvidos na instabilidade da AmB em soluções hidroalcoólicas, fornecendo subsídio para a elaboração de um modelo matemático com adequada capacidade preditiva e explanatória. O segundo capítulo objetivou avaliar os perfis cinéticos de liberação da AmB contida em sistemas poliméricos com distinta geometria (fibras e filmes) e composição ((poli(álcool vinílico) (PVA) e poli(ácido lático) (PLA)), e correlacionar tais perfis com os parâmetros termodinâmicos. Os dados demonstraram que a liberação se apresentou como um processo endotérmico e não-espontâneo, com as fibras e filmes ajustando-se ao modelo de Peppas–Sahlin and Higuchi respectivamente. Dos sistemas avaliados os hidrogéis de PVA foram os que demonstraram melhor controle na liberação e foram escolhidos para compor o terceiro capítulo, onde suas propriedades como potencial sistema terapêutico foram avaliadas in vitro. Os resultados demonstraram que o sistema foi capaz de controlar a permeação ao vapor d’agua em níveis compatíveis com a pele em seu estado fisiológico, e simultaneamente apresentou eficiente atividade antifúngica e leishmanicida, sem apresentar citotoxicidade potencial para células VERO. No capítulo quatro são apresentados os resultados obtidos no desenvolvimento e avaliação de microemulsões (ME) termorresponsivas contendo AmB. Foi possível observar que a instabilidade aquosa da AmB, observada no capítulo 1, foi atenuada ao incorporar poloxamer 407 ao sistema, esse polímero foi capaz de aumentar o tempo de meia-vida da AmB e retardar fenômenos de instabilidade causados por termodesestabilização. Assim, os resultados aqui obtidos demonstram que os hidrogéis de PVA e as ME termorresponsivas são potenciais sistemas a serem usados no tratamento tópico ambulatorial da leishmaniose tegumentar americana.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - ANSELMO GOMES DE OLIVEIRA - UNESP
Presidente - 1178187 - ERYVALDO SOCRATES TABOSA DO EGITO
Externo ao Programa - 1544647 - MATHEUS DE FREITAS FERNANDES PEDROSA
Notícia cadastrada em: 02/06/2019 12:40
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2021 - UFRN - sigaa18-producao.info.ufrn.br.sigaa18-producao