Banca de DEFESA: PEDRO DANIEL DE CARLI SANTOS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : PEDRO DANIEL DE CARLI SANTOS
DATA : 22/06/2021
HORA: 09:00
LOCAL: https://meet.google.com/qds-epio-zzq
TÍTULO:

DO INFORMAL AO INSTITUCIONAL NA INTERAÇÃO SOCIOESTATAL: a trajetória da Federação dos Bacamarteiros de Pernambuco


PALAVRAS-CHAVES:

Interação socioestatal. Arranjos informais. Permeabilidade estatal. Mecanismos intervenientes. Bacamarteiros.

 


PÁGINAS: 75
RESUMO:

Num contexto em que as sociedades civis constroem formas diversas de interagir com o Estado, os arranjos informais comportam importantes estratégias para o processo de articulação das organizações e movimentos sociais, sobretudo nos microterritórios. Nada obstante, a questão da informalidade expõe repertórios que não passam pelas regras por meio das quais operam as instituições e, na maioria dos casos, são excluídos da análise por serem consideradas estratégias clientelistas e identificadas como pouco transparentes e democráticas. Diante desse contexto, o presente estudo analisa, numa abordagem sobre permeabilidade estatal (MARQUES, 1999) e mecanismos intervenientes na interação socioestatal (LAVALLE; CARLOS; DOWBOR; SZWAKO, 2018), a trajetória da Federação dos Bacamarteiros de Pernambuco (Febape). Por meio da aplicação de entrevistas semiestruturadas junto a dirigentes, ex-dirigentes e membros federados, busca-se compreender de que maneira a dimensão informal permeia os processos de interação entre a organização e as instituições do Estado e em que medida esta dimensão é capaz de influenciar processos de formulação de políticas públicas. Ademais, com base num esforço teórico que conjuga pressupostos do institucionalismo histórico e da teoria dos novos movimentos sociais, buscou-se desenvolver um quadro de referência sobre os mecanismos intervenientes nas interações entre Estado e sociedade e, finalmente, identificar a rede de atores constituída pela federação no processo de construção de legitimidade dentro e fora da institucionalidade. Os resultados do estudo demonstram que a trajetória da Febape é marcada pela constituição de um arranjo informal com base em relações pessoais entre dirigentes e burocratas, alicerçadas no compartilhamento de valores e traços identitários. Nesse sentido, foi possível observar que estes laços contribuíram para tornar o Estado permeável a interesses externos, possibilitando a construção de “pontos de acesso” às instituições através da figura do “agente colaborador interno” e permitindo à uma organização da sociedade civil a possibilidade de incluir a sua demanda na agenda institucional e influenciar o Estado por dentro.


MEMBROS DA BANCA:
Externa à Instituição - EUZINEIA CARLOS DO NASCIMENTO - UFES
Interna - 1715135 - JOANA TEREZA VAZ DE MOURA
Presidente - 3180158 - WINIFRED KNOX
Notícia cadastrada em: 28/05/2021 11:15
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa15-producao.info.ufrn.br.sigaa15-producao