Banca de DEFESA: ALINE JULIETE DE ABREU FELICIANO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ALINE JULIETE DE ABREU FELICIANO
DATA : 26/11/2020
HORA: 14:00
LOCAL: https://meet.google.com/kjq-fjry-ogv
TÍTULO:

A PRODUÇÃO DAS DIFERENÇAS NO “CHÃO DA ESCOLA” E A INTERSECCIONALIDADE: um estudo etnográfico em uma escola em tempo integral em Natal-RN



PALAVRAS-CHAVES:

Interseccionalidade. “Chão da escola”. Diferenças. Desigualdade. Equidade.


PÁGINAS: 85
RESUMO:

O conceito de interseccionalidade, nascido das experiências políticas e teorizações do feminismo negro nos Estados Unidos, atualmente encontra lugar em diversos campos acadêmicos, configurando o que se pode chamar de “projeto de conhecimento” (COLLINS; CHEPP, 2013; COLLINS, 2015), por sua natureza de um construto emergente e sem uma definição rígida. Em comum nas pesquisas que adotam a interseccionalidade como fundamentação teórica, parte-se de um entendimento de que categorias unidimensionais como gênero, raça, classe, sexualidade, idade são insuficientes para uma interpretação precisa do mundo social, pois não captam a diversidade de situações combinatórias que existe. Assim, o objetivo desta pesquisa é explorar as possíveis aplicações desse conceito para a compreensão das persistentes desigualdades educacionais, considerando o potencial metodológico da interseccionalidade em uma abordagem de nível micro, chegando-se até o “chão da escola” com interesse em descobrir como os estudantes estavam organizados em sua convivência diária e quais fatores de diferenciação poderiam ser destacados para uma análise interseccional do contexto observado. O estudo é do tipo etnográfico e vale-se do diário de campo como principal ferramenta de trabalho, onde foram registradas as observações e diálogos realizados com a gestão, professores e alunos de uma escola pública de ensino médio em tempo integral, localizada em Natal-RN. Os meses finais do ano letivo de 2019 e no início de 2020, foi o tempo de realização do campo empírico, onde foram identificados marcadores sociais da diferença proeminentes para uma análise interseccional das desigualdades no contexto do “chão da escola”: (i) a concentração em uma mesma turma de estudantes com histórico de reprovação, evasão, e a estigmatização social decorrente; (ii) a vulnerabilidade socioeconômica e (iii) as limitações institucionais e subjetivas em torno do debate sobre a questão racial. As contribuições dessas análises para as políticas públicas, orientadas por uma lente interseccional, invocam a necessidade do debate sobre equidade e a implementação de ações pela gestão educacional, visando compreender os mecanismos de produção das diferenças e desnaturalizar a reprodução de desigualdades.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1715152 - SANDRA CRISTINA GOMES
Interna - 1715135 - JOANA TEREZA VAZ DE MOURA
Externo ao Programa - 2385456 - PAULO VICTOR LEITE LOPES
Externa à Instituição - GISLENE APARECIDA DOS SANTOS - USP
Notícia cadastrada em: 26/10/2020 15:38
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa17-producao.info.ufrn.br.sigaa17-producao