Banca de DEFESA: BARBARA BRUNA ARAUJO BEZERRA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : BARBARA BRUNA ARAUJO BEZERRA
DATA : 24/09/2020
HORA: 14:00
LOCAL: Sala virtual da plataforma GoogleMeet
TÍTULO:

OS EFEITOS DA INSTALAÇÃO DE PRISÕES EM NÍVEL LOCAL: UM ESTUDO DA PRESENÇA DO COMPLEXO PENAL DE ALCAÇUZ NA VIDA COMUNITÁRIA DA COMUNIDADE DE HORTIGRANJEIRA


PALAVRAS-CHAVES:

Prisão. Política penitenciária. Interiorização prisional. Penitenciária de Alcaçuz. Comunidade de Hortigranjeira. Vasos Comunicantes.


PÁGINAS: 121
RESUMO:

Essa pesquisa analisa a política de interiorização prisional brasileira e seus efeitos a nível local, tratando especificamente sobre a presença do Complexo Penal de Alcaçuz na Comunidade de Hortigranjeira – localizada no estado do Rio Grande do Norte. Esse complexo é formado pela Penitenciária Estadual de Alcaçuz e pela Penitenciária Rogério Coutinho Madruga – o Pavilhão 5. O trabalho contém quatro capítulos, os quais se dividem do seguinte modo: o primeiro é uma apresentação acerca da política de interiorização prisional no Brasil e no Rio Grande do Norte; o segundo trata da área de estudo da pesquisa, onde procurei situar o leitor; no terceiro capítulo discorro sobre quem e o que transita entre o dentro e o fora das prisões, constituindo o que chamo de vasos comunicantes; e, por fim, no último capítulo abordo os efeitos na comunidade decorrentes das penitenciárias. A junção das partes visa responder o objetivo desse estudo: quais efeitos a política de interiorização prisional brasileira provoca, considerando a construção da Penitenciária de Alcaçuz e da Penitenciária Rogério Coutinho Madruga, na vida comunitária da Comunidade de Hortigranjeira? O trabalho etnográfico consistiu em idas a comunidade, onde foram realizadas entrevistas com os moradores, familiares dos presos e motoristas de lotações, além de observação participante nos dias de visitas dos familiares às prisões. Desse modo, constatou-se que existem dois grupos bem delimitados na comunidade: os moradores e os familiares dos presos, em que as relações entre eles não se dão de forma homogênea. Verificou-se ainda mudanças na vida econômica e urbana de Hortigranjeira, atestando o surgimento de atividades comerciais, da sensação de segurança pelos moradores, da espacialização dos familiares dos presos e dos comércios que os atendem, como também de relações e narrativas a partir das prisões. Por fim, salienta-se a importância do levantamento bibliográfico realizado de estudos relacionados às prisões, encarceramento em massa, familiares de presos e facções criminosas.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1012850 - RODRIGO FIGUEIREDO SUASSUNA
Interno - 1014897 - CLAUDIO ROBERTO DE JESUS
Externo ao Programa - 2385456 - PAULO VICTOR LEITE LOPES
Externa à Instituição - GIANE SILVESTRE - USP
Notícia cadastrada em: 09/09/2020 15:19
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa18-producao.info.ufrn.br.sigaa18-producao