Banca de DEFESA: EDILZA PAULA QUEIROZ ALVES

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : EDILZA PAULA QUEIROZ ALVES
DATA : 13/06/2019
HORA: 09:00
LOCAL: a definir
TÍTULO:

DINÂMICA METROPOLITANA, VULNERABILIDADE SOCIOAMBIENTAL E SUA INTERFACE COM AS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA REGIÃO METROPOLITANA DE NATAL/RN


PALAVRAS-CHAVES:

Adaptação, Mudanças climáticas, Organização socioespacial, Região Metropolitana de Natal – RMN, Vulnerabilidade socioambiental.


PÁGINAS: 136
RESUMO:

A Região Metropolitana de Natal foi marcada por grandes transformações em seu contexto urbano. A expansão das cidades trouxe consigo a problemática da desordem nos centros urbanos, provocados pelo processo de urbanização e crescimento populacional, que refletiram em sua organização socioespacial, acompanhado por níveis de desigualdades sociais e territoriais. Essa organização contribuiu com espaços segregados por populações em situações de vulnerabilidade socioambiental, que podem causar fortes impactos no solo, diante do mau uso e ocupação desses. Assim, organização do espaço, as atividades econômicas, a forma de viver e morar nos espaços urbanos, a degradação do solo, evidenciam fatores que podem provocar alterações as mudanças climáticas. Nesse sentido a proposta de dissertação tem como objetivo, compreender como a dinâmica da organização socioespacial da RMN podem influenciar nas condições de vulnerabilidade socioambiental, analisando como os municípios integram a perspectiva de adaptação climática. Para a realização do trabalho, os procedimentos metodológicos utilizados seguem as orientações de uma pesquisa com abordagem qualitativa e quantitativa, visando compreender as dinâmicas metropolitanas, os impactos ambientais e climáticos através de revisões bibliográficas em artigos, livros, documentos e instrumentos de coletas de dados. Tendo isso em vista nessa pesquisa, os dados quantitativos tiveram como fonte os microdados do Censo Demográfico de 2010 e da Pesquisa de Informações Básicas Municipais (MUNIC- 2017), ambos do IBGE, e o Atlas de Vulnerabilidade Social de 2010 (IVS) apresentado pelo IPEA. Respectivamente esses dados fornecem informações demográficas, socioeconômicas e ambientais. Conclui-se que a organização socioespacial da RMN, apresenta uma distribuição territorial desigual, resultado de fatores socioeconômicos, que refletem nas alterações urbanas e climáticas, resultando em um contexto de vulnerabilidade socioambiental, sendo preciso construir mecanismos de adaptação às mudanças climáticas, acrescentando estratégias que permitem lidar com a redução dos riscos ocasionados pelas mudanças climáticas.  


MEMBROS DA BANCA:
Interna - 6347581 - MARIA DO LIVRAMENTO MIRANDA CLEMENTINO
Interna - 2374871 - ZORAIDE SOUZA PESSOA
Externa à Instituição - LARISSA DA SILVA FERREIRA - UERN
Notícia cadastrada em: 10/06/2019 09:39
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa09-producao.info.ufrn.br.sigaa09-producao