Banca de DEFESA: MARIA DE FÁTIMA BATISTA DUTRA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : MARIA DE FÁTIMA BATISTA DUTRA
DATA : 25/08/2021
HORA: 14:30
LOCAL: Videoconferência
TÍTULO:

A BIOTECNOLOGIA COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E AMBIENTAL APLICADO A PALMA FORRAGEIRA


PALAVRAS-CHAVES:

Biotecnologia; Palma forrageira; Propagação; Agricultura familiar.


PÁGINAS: 160
RESUMO:

Na região semiárida do Nordeste brasileiro as oscilações das chuvas têm influenciado para que os sistemas de exploração dos pequenos agricultores não atinjam resultados aceitáveis, gerando consequências severas para as condições de renda e, por conseguinte de vida destes agricultores, as populações nordestinas ainda não encontraram o sincronismo entre a cultura tradicional e os imperativos do ambiente. Um fato relevante para esta região é que as cactáceas presentes no ambiente semiárido apresentam extrema importância para a sustentabilidade do bioma caatinga, servindo como fonte de forragem e alimento para os animais, especialmente nas épocas de seca prolongada, com destaque para a palma forrageira. Uma das maiores dificuldades para o desenvolvimento da cultura da palma forrageira é a limitada disponibilidade de material de cultivo, sendo muito lento o sistema convencional de propagação. Desse modo, a biotecnologia é uma ferramenta de grande importância para propiciar benefícios a diferentes setores da sociedade, especialmente à agropecuária, por esta razão a micropropagação tem sido utilizada com êxito em diversas espécies, visando um sistema eficiente de multiplicação para estas cactáceas. Em vista disso, o objetivo geral deste trabalho foi investigar através da biotecnologia, um método de propagação rápido e eficiente para a palma forrageira tolerante a cochonilha-do-carmim a ser utilizado no semiárido nordestino, contribuindo para melhorar o potencial agropecuário e econômico no Rio Grande do Norte e consequentemente a convivência com o semiárido. Desta forma, esta pesquisa buscou desenvolver protocolos de micropropagação com duas variedades de palma forrageira, Orelha-de-elefante e Miúda, comparou o padrão de desenvolvimento in vitro e efetuou testes de aclimatização em estufa, apontando materiais tolerantes a cochonilha-do-carmim propícios a serem cultivados nesta região. No último capítulo através da aplicação de questionários aos agricultores familiares, identificou-se o perfil socioeconômico dos que cultivam palma forrageira das variedades em estudo em alguns municípios do Rio Grande do Norte. Em suma, após 120 dias de cultivo in vitro constatou-se que a metodologia aplicada tem o potencial de incrementar o rendimento na multiplicação de materiais genéticos de alto valor para a cultura de palma, as duas variedades estudadas são promissoras e apresentaram uma ótima adaptação na fase de aclimatização. O perfil socioeconômico dos agricultores se caracterizou por apresentar algumas particularidades relevantes nos municípios do Rio Grande do Norte tais como predominância do sexo masculino, criação de subsistência, baixo grau de instrução, plantação em sistema convencional de cultivo e inexistência de controle de pragas. As informações pertinentes à cultura da palma forrageira relatadas neste trabalho demonstram seu potencial, porém ainda existem muitas elucidações sobre sua utilidade e aplicações que devem ser investigadas.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - JOSEMIR MOURA MAIA - UEPB
Externo à Instituição - JOSÉ ARAÚJO DANTAS - EMPARN
Interna - 350500 - MARIA DE FATIMA FREIRE DE MELO XIMENES
Externo à Instituição - NATONIEL FRANKLIN DE MELO - EMBRAPA
Externo ao Programa - 2257836 - PAULO SERGIO MARINHO LUCIO
Notícia cadastrada em: 27/07/2021 13:37
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2021 - UFRN - sigaa02-producao.info.ufrn.br.sigaa02-producao