Banca de QUALIFICAÇÃO: GABRIELA PEIXOTO BARBALHO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : GABRIELA PEIXOTO BARBALHO
DATA : 05/03/2021
HORA: 14:00
LOCAL: GOOGLE MEET
TÍTULO:

Avaliação do efeito do isolamento social e o impedimento do canto na discriminação auditiva em Diamante-mandarins (Taenyopyggia guttata)


PALAVRAS-CHAVES:

Mandarins, Humanos, Experiencia Social, Prática Motora, Discriminação. 


PÁGINAS: 88
RESUMO:

As aves canoras são consideradas um dos melhores modelos animais para investigar as bases neurobiológicas do aprendizado vocal. Assim como nos humanos, esses animais apresentam fases distintas do aprendizado vocal durante o desenvolvimento, que são influenciadas por experiências sociais e motoras. Além disso, a privação social em aves canoras pode gerar déficits na produção vocal do indivíduo, enquanto que o impedimento da prática vocal retarda a maturação do canto. No entanto, não está totalmente claro se a experiência limitada durante o desenvolvimento pode afetar as habilidades de discriminação auditiva do animal, um fenômeno bem conhecido em humanos. Para responder a essa questão, manipulamos as experiências sociais e da prática motora em mandarins, a espécie de ave canora mais utilizada. Confirmamos primeiro que nossa manipulação alterou o aprendizado vocal sem afetar grosseiramente o desenvolvimento. Mais precisamente, os animais em privação social exibiram canções anormais, típicas de animais sem um modelo vocal. Por outro lado, os animais jovens onde a prática do canto era limitada continuaram a produzir vocalizações imaturas quando adultos. Notadamente, experimentos comportamentais demonstraram que animais controle, i.e. animais com experiências sociais normais, apresentaram um desempenho inferior em tarefas de discriminação auditiva em comparação com animais isolados e juvenis. Em contraste, animais com o canto limitado não diferiram dos controles. Esses resultados sugerem que experiências auditivas no início do desenvolvimento podem influenciar a capacidade discriminatória em mandarins adultos, enquanto que a prática vocal parece ter pouca influência no desempenho de aves adultas. Ou seja, as aves que são expostas à experiência social normal durante o desenvolvimento pós-natal podem ter uma capacidade diminuída de discriminar cantos co-específicos. Tal interpretação está de acordo com o aumento da especificidade observada nos neurônios auditivos e seria paralela aos defeitos perceptuais observados durante a aquisição da fala em humanos. 


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 2394627 - EDUARDO BOUTH SEQUERRA
Interna - 1976236 - EMELIE KATARINA SVAHN LEAO
Presidente - 2183828 - TARCISO ANDRE FERREIRA VELHO

Notícia cadastrada em: 03/03/2021 09:53
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2021 - UFRN - sigaa05-producao.info.ufrn.br.sigaa05-producao