Banca de DEFESA: ISIDRO ARGENTINA CHEMANE

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ISIDRO ARGENTINA CHEMANE
DATA : 24/09/2018
HORA: 10:00
LOCAL: SALA 1 - COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO - EAJ
TÍTULO:

AVALIAÇÃO DO VINAGRE DE MADEIRA COMO POTENCIALIZADOR DE DESEMPENHO ALTERNATIVO PARA FRANGOS DE CORTE


PALAVRAS-CHAVES:

avicultura, desempenho, extrato pirolenhoso, extratos vegetais, sanidade gastrintestinal.


PÁGINAS: 74
RESUMO:

O Brasil é o segundo maior produtor mundial de carne avícola desde 2015, com uma produção anual de 12 milhões de toneladas e, o primeiro maior exportador mundial, exportando para 155 países. Parte significativa dessa produção é assegurada pelo uso de antibióticos promotores de crescimento (APC), banidos nos principais mercados mundiais, por promoverem a resistência bacteriana e o seu efeito residual. Fenômenos estes que se presume que estejam na origem do surgimento de bactérias super- resistentes, que anulam os efeitos de fármacos usados na medicina humana, constituindo assim, uma grave ameaça à saúde pública. Esta realidade tem estimulado a busca por APCs alternativos aos antibióticos, sendo o objetivo deste estudo avaliar o efeito dos diferentes níveis de utilização do vinagre de madeira (VM) como promotor de crescimento alternativo ao uso do antibiótico convencional (enramicina). Para tal foram utilizados 504 frangos de corte de linhagem Cobb 500 com um dia de idade, distribuídos em um delineamento inteiramente casualizado, em sete tratamentos (0; 0,5; 1,0; 1,5; 2,0; 2,5% de EP e o 115 ppm de enramicina), com seis repetições e 12 aves por parcela. Foram avaliadas as variáveis: ganho de peso, peso final, consumo da ração e conversão alimentar nas fases de 1-7; 8-21 e 22-42 dias de idade. As aves foram abatidas aos 21 e 42 dias de idade para avaliar os pesos da carcaça, peito, sobrecoxa, coxa, intestino, coraçaõ, comprimento do intestino, rendimento da carcaça e das partes, o peso do fígado e a deposição de lipídeos no fígado. Os efeitos dos níveis do EP foram estimados por meio de modelos de regressão linear e quadrática e análises de contrastes ortogonais. Na fase 1-7 dias não houve efeito no peso vivo, ganho de peso e no consumo da ração; entretanto, houve efeito linear crescente na conversão alimentar (P< 0,05). Nas fases 8-21, 22-42 dias de idade não houve efeito do vinagre de madeira; na análise das vísceras, pesos de cortes e rendimento da carcaça e das partes dos animais abatidos aos 21 dias de idade, em nenhuma das variáveis investigadas apresentaram diferença (P>0,05) entre os tratamentos avaliados. Houve efeito linear (P< 0,05) do peso vivo dos animais abatidos aos 42 dias de idade; entretanto, não houve efeito (P> 0,05) nas demais variáveis avaliadas nessa fase. Em relação a altura e profundidade da cripta das vilosidades nos três segmentos dos animais abatidos aos 21 e 42 dias de idade, não foram observados diferenças (P>0,05) entre os tratamentos. Diante dos resultados observados, conclui-se que o vinagre de madeira não apresenta efeito como promotor de crescimento em ambiente sem desafio sanitário, assim como o uso de antibiótico.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1605626 - ELISANIE NEIVA MAGALHAES TEIXEIRA
Externo à Instituição - JOSÉ JORDÃO FILHO - UFPB
Externo ao Programa - 2477216 - NAISANDRA BEZERRA DA SILVA FARIAS
Notícia cadastrada em: 19/09/2018 08:26
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2021 - UFRN - sigaa22-producao.info.ufrn.br.sigaa22-producao