Banca de DEFESA: FRANCISCA FERNANDA DA SILVA ROBERTO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : FRANCISCA FERNANDA DA SILVA ROBERTO
DATA : 22/02/2018
HORA: 09:00
LOCAL: Sala POP, Centro de Convivência do Campus Central - UFRN.
TÍTULO:

Avaliação de ovinos naturalmente infectados por nematoides gastrintestinais sob pastejo intermitente em cultivares de Brachiaria brizantha


PALAVRAS-CHAVES:

coprocultura, FAMACHA©, Haemonchus sp., ovinocultura, pastagem tropical, Trichostrongylus sp.


PÁGINAS: 76
RESUMO:

Objetivou-se avaliar a resposta de ovinos naturalmente infectados por nematoides gastrintestinais sob regime de pastejo com lotação intermitente em diferentes cultivares de Brachiaria brizantha. O experimento foi realizado na área experimental do Grupo de Estudos em Forragicultura, localizado no Campus de Macaíba da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. O período experimental foi de 31/03/17 a 31/08/2017, que correspondeu a dois ciclos de pastejo. Os animais foram mantidos em sistema semi-intensivo com pastejo intermitente e suplementados. Foram utilizados 48 ovinos, sem padrão racial definido, com peso médio inicial de 19,04 kg ±0,96, distribuídos aleatoriamente em quatro piquetes compostos pelas cultivares Marandu, Xaraés, Piatã e Paiaguás. O delineamento foi o de blocos ao acaso com 12 repetições nos animais e dois blocos das cultivares. As variáveis fenotípicas avaliadas semanalmente foram, contagem de ovos por grama de fezes (OPG), coprocultura, volume globular (VG), FAMACHA©, pesagem e escore de condição corporal (ECC). A recuperação de larvas infectantes na pastagem e no solo, foram de acordo com a troca dos animais nos piquetes de pré e pós pastejo. As cultivares de B. brizantha avaliadas influenciaram a carga parasitária dos animais, que foram mistas e maciças com valores acima de 600 ovos/g independente da cultivar pastejada, havendo diferença significativa nesses valores entre as cultivares, variando de 635,71 (Xaraés) a 1422,2 (Marandu). Entre os ciclos de pastejo houve diferença no OPG dos animais mantidos na cultivar Marandu (999,1 e 1422,2), sendo maior em relação às demais. Na coprocultura foram encontrados os seguintes gêneros: Haemonchus sp., Trichostrongylus sp., Strongyloides sp., e Oesophagostomum sp. O Haemonchus sp. foi o gênero de maior prevalência (acima de 80%) nos animais de todas as cultivares e ciclos de pastejo. No primeiro ciclo de pastejo houve diferença no VG dos animais mantidos nas cultivares Piatã (25,96%) e Xaraés (22,51%), sendo que os mantidos nas demais cultivares apresentaram valores intermediários. Quanto ao FAMACHA, os animais permaneceram com maior frequência nos graus 1, 2 e 3, em ordem de importância no ciclo 1, porém no ciclo 2, a concentração com mais de 50% dos indivíduos foi no grau 1. Quanto ao peso dos animais, o grupo mantido na cultivar Xaraés diferiu das demais (P<0,05), com menores médias, nos dois ciclos (21,79 e 26,91 Kg). O ECC dos animais se concentrou em 3 no primeiro ciclo de pastejo e entre 3, 3,5 e 4 no segundo ciclo. As cultivares Marandu e Paiaguás apresentaram as maiores médias de larvas no pasto. A concentração de larvas foi encontrada no pré pastejo e na porção inferior. O primeiro ciclo de pastejo obteve maior contagem de larvas. Foi possível recuperar larvas de estágio de vida livre e infectante dos gêneros Haemonchus, Trichostrongylus e Strongyloides. Nas amostras do solo de todas as cultivares foi possível recuperar larvas de estágio de vida livre e infectante dos gêneros Haemonchus e Trichostrongylus. A área da cv. Marandu apresentou maiores médias de larvas de estágio de vida livre (5,37) e Haemonchus (0,53). No primeiro ciclo de pastejo houve maior contagem de nematoides nas amostras de solo quando comparado com o segundo, com exceção da cv. Marandu. Pode-se concluir que as cultivares B. Brizantha promovem condições distintas para o desenvolvimento e sobrevivência das fases de vida livre dos nematoides gastrintestinais de acordo com as características morfológicas. As cultivares Piatã e Xaraés promovem menores cargas parasitárias no ambiente e nos animais, porém a Marandu e a Paiaguás, proporcionam melhores condições nutricionais aos animais não havendo comprometimento das variáveis fenotípicas pela maior carga parasitária. As cultivares de Brachiaria brizantha Piatã, Xaraés, Marandu e Paiaguás podem ser recomendadas para sistemas de produção de ovinos em pasto.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 986835 - GELSON DOS SANTOS DIFANTE
Interno - 1714262 - LILIAN GIOTTO ZAROS DE MEDEIROS
Externo ao Programa - 6349507 - MARIA DE FATIMA DE SOUZA
Externo à Instituição - LUIZ DA SILVA VIEIRA - EMBRAPA
Notícia cadastrada em: 15/02/2018 15:28
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2021 - UFRN - sigaa26-producao.info.ufrn.br.sigaa26-producao