Banca de QUALIFICAÇÃO: ANA LUIZA GUERREIRO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ANA LUIZA GUERREIRO
DATA : 20/03/2017
HORA: 09:00
LOCAL: PÓS-GRADUAÇÃO DA PRODUÇÃO ANIMAL, SALA 01
TÍTULO:

Palma forrageira Miúda e Orelha de Elefante Mexicana sobre desempenho de ovinos


PALAVRAS-CHAVES:

Comportamento, digestibilidade aparente, Mestiços, Nopalea cochenillifera, Opuntia stricta, semiárido, Soinga

 


PÁGINAS: 38
RESUMO:

Este estudo objetivou avaliar a ingestão de nutrientes, digestibilidade aparente da matéria seca e dos nutrientes, desempenho animal e comportamento ingestivo de ovinos do grupamento genético Soinga e mestiços alimentados com palma miúda (Nopalea cochenillifera) e orelha de elefante mexicana (Opuntia stricta), além de silagem de capim-elefante, milho e farelo de soja na dieta de cordeiros confinados. Foram utilizados 28 animais com peso médio de 17,9 kg ± 1,58 kg, sendo 14 Soingas e 14 mestiços distribuídos individualmente em delineamento inteiramente casualizado em esquema fatorial 2x2. O estudo durou 102 dias, sendo os 30 primeiros dias para adaptação dos animais às instalações, a dieta e à rotina de manejo, e 72 dias de observação e coletas para avaliação do desempenho, considerando-se o consumo diário das dietas e o peso de cada animal a cada 14 dias, sendo 5 dias destes destinados para coleta de fezes para o ensaio de digestibilidade aparente. A ingestão de MS, MO, MOD, PB, FDN, EE, CNF e NDT através dos componentes dietéticos em kg/dia não foi afetada por dietas experimentais (1,009; 0,910; 0,686; 0,139; 0,298; 0,030; 0,557 e 0,732, respectivamente). O consumo de matéria seca e nutrientes e a conversão alimentar não foram diferentes entre os genótipos (p>0,05). No entanto, houve interação entre espécies de palma e grupamentos genéticos para o consumo de fibra em detergente neutro. A digestibilidade total da MS, MO, PB, EE e CNF foram maiores quando os animais consumiam a palma orelha de elefante mexicana (p<0,05), não houve interação entre as espécies de palma estudada e os grupamentos genéticos estudados para a digestibilidade aparente dos nutrientes.  Não houve interação entre as espécies de palma estudada e os grupamentos genéticos para o ganho de peso médio diário de 0,132 kg/dia, sendo 0,123 kg/dia para os ovinos Soinga e 0,142 kg/dia para os mestiços. Houve interação entre as espécies de palma e o grupamentos genéticos para as variáveis comportamentais tempo de ócio e tempo de alimentação. Recomenda-se que a palma orelha de elefante mexicana pode ser utilizada nas dietas de confinamentos para cordeiros, e conclui-se que o grupamento genético Soinga e mestiços apresentaram desempenho animal semelhantes


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1149546 - EMERSON MOREIRA DE AGUIAR
Interno - 127.568.146-87 - LUCIANO PATTO NOVAES - UFRN
Interno - 1726100 - MARCONE GERALDO COSTA
Interno - 2339534 - STELA ANTAS URBANO
Notícia cadastrada em: 17/03/2017 13:21
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2021 - UFRN - sigaa17-producao.info.ufrn.br.sigaa17-producao