Banca de DEFESA: JEMIMA TABITA FERREIRA DE SOUSA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : JEMIMA TABITA FERREIRA DE SOUSA
DATA : 29/10/2020
HORA: 15:00
LOCAL: https://meet.google.com/omr-infq-qqv
TÍTULO:

Propriedades de concretos leves autoadensáveis com agregados leves artificiais produzidos a partir da calcinação de resíduos agroindustrial e de mineração


PALAVRAS-CHAVES:

Concretos leves autoadensáveis (CLAA), Agregados leves, Resíduo agro-industriais, Resíduos de mineração, sinterização.


PÁGINAS: 79
RESUMO:

O concreto autoadensável (CAA) apresenta-se como um importante exemplo de nova tecnologia e alternativa ao uso do concreto convencional. Os parâmetros reológicos demonstrados por esse tipo de concreto, proporcionam alta fluidez e coesão que resultam na habilidade de preenchimento e resistência à segregação, além da otimização dos processos de concretagem e redução nos custos com mão de obra. Atualmente, em decorrência da falta de solo resistente para suportar cargas das edificações em aglomerações urbanas, estudos têm sido realizados em busca de possibilidades que resultem em um menor peso para a estrutura, assim como facilidade de transporte, execução e propriedades termoacústicas. O concreto leve autoadensável (CLAA) surge então, como uma possível alternativa por agrupar os benefícios do CAA e do concreto leve estrutural (CL). Na produção desses concretos, o agregado leve mais utilizado no mundo e no Brasil ainda é a argila expandida, tendo sua produção nacional concentrada na Região Sudeste. Nesse contexto, estudos realizados por Leal de Souza (2019) e Souza (2019), verificaram a viabilidade de se produzir agregados leves a partir da sinterização de resíduos industriais e matérias-primas regionais (Rio Grande do Norte/Brasil), como resíduo da biomassa da cana-de-açúcar (RBC), resíduo da produção de Scheelita (RPS) e argilas locais. Diante do exposto, o presente estudo elencou alguns dos agregados leves que foram desenvolvidos por Leal de Souza (2019) e Souza (2019), e analisou a influência desses na composição de concretos leves autoadensáveis, averiguando sua eficiência e comportamento em comparação com o CLAA produzido com o agregado leve comercial. Os concretos foram submetidos aos ensaios de caracterização no estado fresco, determinando propriedades de fluidez, viscosidade aparente, estabilidade visual e habilidade passante, através dos ensaios de Slump Flow, t500, índice de estabilidade visual e anel-J, respectivamente. No estado endurecido foram realizados ensaios para determinação das propriedades mecânicas, com o ensaio de resistência à compressão aos 7 e 28 dias, e dos parâmetros de durabilidade através da difusão de íons cloreto. Os resultados obtidos evidenciaram a viabilidade da produção de concretos leves autoadensáveis com agregados leves não convencionais. Ainda, foi constatado que as propriedades físicas dos agregados influenciaram nos resultados obtidos no estado fresco e endurecido, tornando o agregado leve o principal responsável por limitar e influenciar nas propriedades dos concretos.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 022.621.844-96 - MARCOS ALYSSANDRO SOARES DOS ANJOS - IFRN
Interno - 028.307.994-02 - ENIO FERNANDES AMORIM - IFRN
Externo à Instituição - VALTENCIR LUCIO DE LIMA GOMES - IFRN
Notícia cadastrada em: 28/10/2020 11:24
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2021 - UFRN - sigaa22-producao.info.ufrn.br.sigaa22-producao