PPGH/CCHLA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA Telefone/Ramal: Não informado https://posgraduacao.ufrn.br/ppgh

Banca de DEFESA: DANIELLE BRUNA ALVES NEVES

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : DANIELLE BRUNA ALVES NEVES
DATA : 13/07/2020
HORA: 16:00
LOCAL: VIDEOCONFÊNCIA
TÍTULO:

CRISTIANIZAÇÃO ESPACIAL E ESTRATÉGIAS MATRIMONIAIS DE ESCRAVOS NA CAPITANIA DO RIO GRANDE DO NORTE: TERRITÓRIO, ESCRAVIDÃO E MESTIÇAGENS NA FREGUESIA DE NOSSA SENHORA DA APRESENTAÇÃO (1727- 1760)


PALAVRAS-CHAVES:

Palavras-chave: Território; Escravidão; Família Escrava.


PÁGINAS: 234
RESUMO:

Analisa a influência da territorialização da Igreja Católica e da cristianização dos espaços no litoral leste da Capitania do Rio Grande na evangelização e moralização de escravos por meio do sacramento matrimonial, entre 1727 a 1760, com base nos registros de casamento da Freguesia de Nossa Senhora da Apresentação, da Cidade do Natal, tratados metodologicamente a partir dos aportes da História Serial, da História Quantitativa e do Método Onomástico. A freguesia era um espaço jurisdicional do poder eclesiástico nesta localidade, cuja igreja matriz estava situada na Cidade de Natal e suas 9 capelas e 3 aldeamentos indígenas se estendiam pelas ribeiras dos rios Jundiaí, Ceará-mirim, Mipibú, Potengi e Cajupiranga, nas localidades que, atualmente, são municípios da região metropolitana de Natal (Macaíba, Extremoz, São Gonçalo do Amarante, Parnamirim, São José de Mipibú e Nísia Floresta). O processo de apropriação espacial se deu por meio de construção de prédios sagrados, que mantinham um controle sobre o território e seus moradores por meio da articulação matriz-aldeamentos-capelas anexas. O marco inicial do recorte temporal, 1727, foi selecionado por não ter sido encontrado registros de matrimônio anteriores a esta data e o mais próximo ao período denominado “Guerra dos Bárbaros” (1683- 1720), que ocasionou a captura e escravidão e indígenas dos sertões, além do seu extermínio parcial. Uma parcela dos nativos, provavelmente, foi enviada para o litoral da Capitania do Rio Grande para supri a necessidade de mão de obra escrava. O recorte cronológico escolhido termina no ano de 1760, quando a paróquia sofreu alterações no seu espaço geográfico e a área de assistência da Freguesia de Nossa Senhora da Apresentação foi modificada, com a diminuição de sua abrangência territorial. Este período foi marcado pela estabilização das estruturas eclesiásticas da freguesia, após a dominação holandesa (1633-1654) e a Guerra dos Bárbaros. O trabalho analisou o perfil dos matrimônios de cativos neste território e observou as estratégias dos cativos, principalmente no tocante à escolha dos parceiros com os quais optavam por se unir. Percebeu que os registros apresentavam um número expressivo de casamentos de cativos de origens diferentes, a endogamia de escravos africanos do mesmo grupo de procedência e enlaces que resultaram em uma mudança de status social. Observou que este espaço foi caracterizado por uniões entre indivíduos de diferentes qualidades e condições jurídicas, o que possibilitou as mesclas biológicas e culturais encontradas nos documentos da Igreja. 


MEMBROS DA BANCA:
Interna - 1324248 - CARMEN MARGARIDA OLIVEIRA ALVEAL
Externo à Instituição - EDUARDO FRANÇA PAIVA - UFMG
Presidente - 2432663 - HELDER ALEXANDRE MEDEIROS DE MACEDO
Interno - 1879280 - LIGIO JOSE DE OLIVEIRA MAIA
Notícia cadastrada em: 03/07/2020 14:37
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa03-producao.info.ufrn.br.sigaa03-producao