PPGH/CCHLA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA Telefone/Ramal: Não informado https://posgraduacao.ufrn.br/ppgh

Banca de QUALIFICAÇÃO: CID MORAIS SILVEIRA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : CID MORAIS SILVEIRA
DATA : 24/08/2017
HORA: 10:30
LOCAL: Auditório C do CCHLA
TÍTULO:
Título: “FAGUEIRA ESPERANÇA DE MELHORES DIAS”: O CENTRO SOCIAL MORRINHENSE E A INVENÇÃO DA CIDADE EMANCIPADA (1952-1957)
 

PALAVRAS-CHAVES:
Palavras-chave: cidade; discurso; práticas; espaço; intelectuais; invenção.
 

PÁGINAS: 103
RESUMO:
Resumo: Esta pesquisa se dedica à compreensão da emergência de uma espacialidade, a cidade de Morrinhos emancipada, por meio da atuação dos intelectuais do Centro Social Morrinhense. Importa-nos analisar as relações historicamente construídas entre essa instituição e a então vila de Morrinhos, que começava a ter sonhos de ser cidade no início dos anos cinquenta. Entendendo a realidade e as construções espaciais como fabricações humanas, almejamos pensar como essa instituição criou uma forma singular de ver e dizer a cidade, através de práticas intelectuais, políticas e identitárias, permeadas pelo desejo e o sonho da cidade moderna, progressista e civilizada. Formas de ver e dizer a cidade que foram posteriormente utilizadas para legitimar e acelerar seu processo de emancipação político-religiosa. Sendo assim, esta pesquisa faz parte do campo da chamada história intelectual, notadamente aquela de sabor francês, atentando para as questões das sociabilidades dos membros do CSM, para a análise de seus discursos, de seus itinerários pessoais e intelectuais, bem como a abordagem da organização, modos de filiação e do funcionamento dessa instituição. Essa pesquisa também pode ser inscrita no interior da chamada história urbana, notadamente uma história cultural do urbano, das práticas urbanas, problematizando as aproximações e tensões entre os projetos da cidade ideal, da cidade desejada, urdidos pelo CSM; e suas relações com a cidade real, a cidade vivida. As fontes mobilizadas na pesquisa são jornais, discursos e pronunciamentos parlamentares, atas de reuniões, documentos legislativos, estatutos, livros de tombo, imagens, etc. O recorte temporal foi escolhido para uma melhor explicação dos objetivos do trabalho: 1952, ano em que o Centro Social Morrinhense é fundado em Fortaleza, até 1957, ano de consolidação do processo de emancipação política de Morrinhos. Verificamos também, durante esse período, uma intensa mobilização de atividades do CSM. Por fim, esta pesquisa torna-se importante não apenas para uma melhor compreensão do processo de emancipação de Morrinhos, sob o olhar do CSM, tornando-a uma cidade institucional, mas também entender como o Centro Social Morrinhense, pensado como um lugar honorífico, um lugar hoje do ausente, da ruína, fracassou na preservação de sua memória, sofrendo posteriormente uma invisibilização dentro da história do município.
 

MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 336185 - DURVAL MUNIZ DE ALBUQUERQUE JUNIOR
Interno - 1149464 - HELDER DO NASCIMENTO VIANA
Interno - 1149437 - RAIMUNDO PEREIRA ALENCAR ARRAIS
Notícia cadastrada em: 18/08/2017 18:26
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa04-producao.info.ufrn.br.sigaa04-producao