PPGARC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS DIREÇÃO DO CCHLA Telefone/Ramal: (84) 99193-6340 https://posgraduacao.ufrn.br/ppgarc

Banca de QUALIFICAÇÃO: ANA CAROLINA STRAPAÇÃO GUEDES VIANNA - (Retificação)

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.

DISCENTE: ANA CAROLINA STRAPAÇÃO GUEDES VIANNA

DATA: 03/09/2010

HORA: 15:00

LOCAL: Mini Auditório - Sala 25 (Departamento de Artes)

TÍTULO:

O corpo sem órgãos e a experiência no Tai Chi: possibilidades para a preparação do ator.


PALAVRAS-CHAVES:

Palavras-Chave: Preparação do ator; Tai Chi; Corpo sem Órgãos; Experiência.

Key-Words: Preparation of the actor; Tai Chi; Body without Organs; Experience.


PÁGINAS: 53

GRANDE ÁREA: Lingüística, Letras e Artes

ÁREA: Artes

SUBÁREA: Dança

ESPECIALIDADE: Coreografia

RESUMO:

Resumo: Muitas propostas cênicas da contemporaneidade encaram o teatro não como representação, mas enquanto acontecimento, experiência, portanto vida. A (re)presentação enquanto acontecimento se dá através e no próprio corpo dos atores em cena, ele deixa de representar para vivenciar determinada situação. Por conseguinte, o corpo físico do ator é o espaço da arte. Desse modo, o ator é também autor e performer e, por estar em evidência, deve melhorar seu rendimento e ritmo por meio de um trabalho corporal rigoroso que permite ainda desenvolver a consciência do próprio corpo no que refere ao domínio técnico do movimento, como também com relação ao espaço. No entanto, o ator ocidental, ainda hoje, carece de um repertório de referenciais específicos para apoiar ou orientar sua prática. Ao contrário dos atores orientais, que para cada tipo de representação, possuem uma base codificada à qual todos os atores de uma determinada tradição teatral devem se adequar. Em um momento imediatamente anterior ao surgimento do teatro moderno, o corpo do ator passa a ser considerado a principal matéria-prima do teatro. Mas como o ator deve trabalhar a base material da sua arte, ou seja, seu corpo? Para que esse corpo passe de matéria a obra de arte, diversos estudiosos do campo do teatro vêm discutindo acerca de práticas corporais que possam favorecer o atuar cênico. Este estudo pretende, a partir da descrição e reflexão acerca de uma experiência corporal, destacar os elementos de aproximação entre o corpo do Tai Chi e o corpo sem órgãos, idealizado por Artaud, na perspectiva de apontar possíveis contribuições no que diz respeito à preparação do ator e o conseqüente atuar cênico. A escolha por trabalhar o Tai Chi se deve a minha identificação com essa técnica no breve contato que tenho tido, bem como por perceber que a sua prática incorporada ao dia-a-dia do ator, em virtude de seus princípios e técnicas, pode proporcionar ao intérprete um corpo cujos aspectos se aproximam dos idealizados por Artaud no que se refere ao corpo sem órgãos. O processo de produção desse trabalho tem início a partir da pesquisa teórica constituída por leituras de bibliografias referentes aos temas aqui abordados, além do exercício regular do Tai Chi, acompanhado por mestres especialistas nessa arte marcial. Portanto, o trabalho aqui apresentado refere-se a um estudo de natureza qualitativa que considera a experiência do corpo na prática do Tai Chi como uma referência para dialogar e refletir acerca da preparação do ator e os seus desdobramentos no atuar cênico. Embora a experiência seja da ordem do sensível, ela antecede qualquer teorização, é o ponto de partida para a reflexão. A experiência favorece a produção do conhecimento na medida em que é possível rememorar e resignificar o corpo, atribuir sentidos outros ao vivido e reforçar a compreensão no campo das artes cênicas. Logo, a experiência é viável para a pesquisa aqui apresentada na medida em que possibilita a vivência corpóreo-sensorial dos procedimentos propostos e o refletir acerca dessa experiência. A reflexão sobre a experiência também vai de encontro às inquietações do teatro contemporâneo que busca princípios que orientem o trabalho do ator. Esse estudo está sendo pensado em três capítulos. O primeiro deles apresenta em que circunstâncias históricas e pessoais Artaud idealizou a terminologia corpo sem órgão e contextualiza o modo como o corpo vem sendo pensado no campo das artes cênicas. O segundo capítulo traça um panorama histórico referente à prática do Tai Chi, e apresenta também os fundamentos que orientam a sua prática. O terceiro capítulo discute a aprendizagem pela experiência e traz também a descrição e reflexão acerca da minha experiência no Tai Chi, tecendo sempre intercessões com a idéia artaudiana de corpo sem órgãos e com a minha prática profissional enquanto atriz.

Abstract: Many contemporary scenic proposals face theater not as representation, but as an event, experience, thus life. The (re) presentation as an event occurs through and in the body itself of the actors on stage, he ceases to represent to experience a given situation. Therefore, the physical body of the actor is the art space. Thereby, the actor is also the author and the performer and, for being in evidence, he must improve his performance and rhythm through a rigorous body work that also allows him to develop the conscience of his own body as regards to the technical domain of the movement, but also concerning to the space. However, the western actor, even today, lacks a repertoire of specific references to support or guide his practice; unlike the eastern actors that, for each type of representation, have a codified basis to which all the actors of a certain theatrical tradition must fit in it. At a time immediately prior to the emergence of modern theater, the actor's body is regarded as the main raw material of the theater. But how the actor is supposed to work the material basis of his art, in other words, his body? For this body pass from material to work of art, many studies in the field of theater have been discussing about bodily practices that may favor scenic act. This study aims, from the description and reflection about a bodily experience, to highlight elements of rapprochement between the body of Tai Chi and the body without organs, designed by Artaud, pointing out possible contributions with respect to the preparation of the actor and the consequent scenic act. The choice for working Tai Chi is due to my identification with this technique in the brief contact that I have had, as well for the realization that its corporate practice in the day-to-day the actor, by virtue of its principles and techniques, can provide to the interpreter a body whose aspects are close to those idealized by Artaud in relation to the body without organs. The production process of this work starts from the theoretical research that consists of reading the bibliographies about the issues raised here, in addition to the regular exercise of Tai Chi, accompanied by masters that are experts in this martial art. So, the work presented here refers to a qualitative study that considers the body experience in the practice of Tai Chi as a reference to dialogue and reflect on the actor's preparation and its influences in scenic acting. The experience favors the production of knowledge according as you can recall and reframe the body, give it other senses than those experienced and enhance understanding in the field of the performing arts. Therefore, the experience is feasible for the research presented here in that it enables the body-sensory experience of the proposed procedures and to reflecting on this experience. The reflection on the experience also meets the concerns of the contemporary theater, which seeks the principles that guide the work of the actor. This study is being designed in three chapters. The first shows that historical and personal circumstances in which Artaud conceived the terminology of body without organ and contextualizes how the body has been thought in the field of performing arts. The second chapter gives a historical overview on the practice of Tai Chi, and also presents the fundamentals that guide its practice. The third chapter discusses the learning from experience and also brings the description and reflection of my own experience in Tai Chi, always setting out intercessions with the Artaudian idea of body without organs and with my professional practice as an actress.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1164369 - LARISSA KELLY DE OLIVEIRA MARQUES TIBURCIO
Interno - 3230406 - JOSE SAVIO OLIVEIRA DE ARAUJO
Externo ao Programa - 1149447 - NORMA MISSAE TAKEUTI
Notícia cadastrada em: 24/08/2010 09:15
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa22-producao.info.ufrn.br.sigaa22-producao