PPGARC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS DIREÇÃO DO CCHLA Telefone/Ramal: (84) 99193-6340 https://posgraduacao.ufrn.br/ppgarc

Banca de QUALIFICAÇÃO: RENATA CELINA DE MORAIS OTELO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: RENATA CELINA DE MORAIS OTELO
DATA: 03/08/2015
HORA: 15:00
LOCAL: Sala 26 DEART UFRN
TÍTULO:

CORPOS DA CIRANDA: ANÁLISE ARTÍSTICO/ESTÉTICA DAS CIRANDAS DE LIA DE ITAMARACÁ


PALAVRAS-CHAVES:

Ciranda. Brincantes. Corpo. Arte/estética


PÁGINAS: 55
GRANDE ÁREA: Lingüística, Letras e Artes
ÁREA: Artes
SUBÁREA: Dança
RESUMO:

O presente trabalho é uma pesquisa que versa sobre a linguagem dos corpos brincantes da Ciranda – especificamente de Lia de Itamaracá. Interessa-nos observar como esse corpo dança, comunica-se, escreve-se no tempo e no espaço, estabelece relações que o complementam e o ajudam a permanecer em construção. Assim, de maneira circular e em uma energia que é transmitida no contato com as mãos, na força da canção, em uma roda que pode ser vista de vários lugares, mas por ângulos diferentes, cabendo aí as particularidades dos seus sujeitos brincantes/dançadores/observadores, é que nos propomos a pensar: quem são esses corpos brincantes e como eles se constituem? Para tanto, durante o caminho da pesquisa, fomos conduzidos pelo método fenomenológico e, dele, utilizamos as categorias de descrição, mundo vivido e sensível. Interessa-nos, ainda, nessa manifestação, o corpo que dança e se insere na expressão, que significa e se abre ao conhecimento pela via da experiência. Assumimos, portanto, uma concepção de corpo que se referencia na abordagem fenomenológica merleaupontyana, assim como, na sua criticidade em relação ao corpo como um ser fragmentado, tal qual aponta a teoria Cartesiana. Nessa perspectiva, entendemos o corpo na sua relação com os fazeres culturais, sociais, econômicos e artísticos que integram a formação dele. Ou seja, nas relações que nos ajudaram a compreender melhor o corpo que se é. Dessa maneira, nossa pesquisa tem como objetivo fundante o seguinte: explorar os questionamentos que surgiram diante da observação e da vivência do corpo que participa das rodas e como essa vivência perpassa a corporeidade desses brincantes, da cirandeira e da própria pesquisadora. Tal afirmação nos leva, neste trabalho, a questionar, por exemplo: o que mobiliza esses sujeitos nessa dança? Por fim, asseveramos que essa investigação vem à tona em razão da dimensão que as rodas de Ciranda vêm alcançando no país, em especial no Nordeste brasileiro, assim como a existência de pouca referência e registro da manifestação pesquisada nas esferas acadêmicas. É possível verificar, com a nossa pesquisa, que, em razão dessa disseminação, as nuances da movimentação dos brincantes está cada vez mais diversificada e que a ausência de vivências na Ilha de Itamaracá-PE, seu berço, tem distanciado o caráter genuíno e comunitário, tornando-se, cada vez mais, uma dança de outros palcos e praças. 


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1038320 - KARENINE DE OLIVEIRA PORPINO
Externo ao Programa - 349700 - LUIZ CARVALHO DE ASSUNCAO
Presidente - 1958705 - MARCILIO DE SOUZA VIEIRA
Notícia cadastrada em: 15/07/2015 10:56
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa11-producao.info.ufrn.br.sigaa11-producao