Banca de DEFESA: BEATRIZ PINHEIRO BEZERRA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: BEATRIZ PINHEIRO BEZERRA
DATA: 27/02/2012
HORA: 15:00
LOCAL: Sala do PPgDITM
TÍTULO:

DESENVOLVIMENTO E VALIDAÇÃO DE MÉTODO ANALÍTICO PARA DETERMINAÇÃO DE TEOR DE ÁCIDO GÁLICO E CATEQUINA NO FITOTERÁPICO SANATIVO® POR CROMATOGRAFIA LÍQUIDA DE ALTA EFICIÊNCIA


PALAVRAS-CHAVES:

Schinus terebinthifolius, Piptadenia colubrina, ácido gálico, catequina, CLAE, validação, Sanativo®, Fitoterápico.


PÁGINAS: 137
GRANDE ÁREA: Ciências da Saúde
ÁREA: Farmácia
RESUMO:

O medicamento fitoterápico Sanativo® é produzido pelo Laboratório Pernambucano desde 1888 com indicações de cicatrizante e hemostático. Trata-se de um extrato fluido composto por Piptadenia colubrina, Schinus terebinthifolius, Cereus peruvianus e Physalis angulata. Dentre as plantas de sua composição, S. terebinthifolius e P. colubrina possuem em comum compostos fenólicos aos quais é atribuída a maior parte de seus efeitos farmacológicos. Os taninos, ácido gálico e catequina foram selecionados como marcadores para controle de qualidade quantitativo. O objetivo do presente trabalho foi o desenvolvimento e validação de método analítico por CLAE/UV/DAD para separação e quantificação simultânea de ácido gálico (ACG) e catequina (CQT) no fitoterápico Sanativo®. O sistema cromatográfico teve como fase estacionária, coluna RP C-18 (5 μm), sob a temperatura de 35 ºC, detecção em 270 e 210 nm. A fase móvel foi composta por ácido trifluoroacético 0,05 % e metanol nas proporções 88:12 (v/v), sob vazão de 1 ml/min. O método analítico desenvolvido apresentou um fator de retenção de 0,30 e 1,36, fator de cauda de 1,8 e 1,63, para ácido gálico e catequina, respectivamente, resolução de 18,2, além de pratos teóricos acima de 2000. O método atendeu os parâmetros de validação exigidos na Resolução RE nº 899, de 29 de maio de 2003, da ANVISA. O coeficiente de correlação da análise de regressão linear para ACG e CQT a partir da solução padrão foi de 0,9958 e 0,9973 e a partir do Sanativo® foi de 0,9973 e 0,9936, a matriz do fitoterápico não interfere no intervalo de 70 a 110%. Os limites de detecção e de quantificação para ACG e CTQ foram de 3,25 e 0,863, e 9,57 e 2,55 μg/mL, respectivamente. Os marcadores, ACG e CTQ, apresentaram reprodutibilidade (coeficientes de variação de 0,94 % e 2,36 %) e recuperação satisfatória (100,02 ± 1,11 % e 101,32 ± 1,36 %). O método ainda se caracterizou seletivo e robusto para quantificação de ACG e CQT no Sanativo® e foi considerado validado.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - CRISTIANI LOPES CAPISTRANO GONÇALVES DE OLIVEIRA - UFC
Presidente - 882.580.334-68 - LUIZ ALBERTO LIRA SOARES - UFPE
Interno - 1490222 - SILVANA MARIA ZUCOLOTTO LANGASSNER
Notícia cadastrada em: 10/02/2012 15:34
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa22-producao.info.ufrn.br.sigaa22-producao