Banca de QUALIFICAÇÃO: NOEME MARTINS DE ARAUJO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : NOEME MARTINS DE ARAUJO
DATA : 03/06/2022
HORA: 09:00
LOCAL: Google Meet
TÍTULO:

O DISCURSO GEOGRÁFICO NO LIVRO O ABOLICIONISMO: UMA ANÁLISE DAS CONTRIBUIÇÕES DE JOAQUIM NABUCO PARA A INTERPRETAÇÃO DA FORMAÇÃO TERRITORIAL DO BRASIL


PALAVRAS-CHAVES:

O Abolicionismo; Joaquim Nabuco; Discurso Geográfico; Formação Territorial do Brasil; Identidade Nacional.


PÁGINAS: 81
RESUMO:

Esta pesquisa debruçou-se sobre o livro O Abolicionismo (1883), do escritor e político nordestino Joaquim Nabuco. Na referida obra, o autor conferiu importantes contribuições à construção da nação brasileira ao descrever o modo pelo qual as relações sociais e econômicas, ambas estruturadas na escravidão, configuraram o território nacional brasileiro. Ao traçar análises em seus escritos, o pernambucano dedicou atenção especial ao processo de ocupação do espaço brasileiro, à produção econômica e ao trabalhador escravo. De forma substancial, a composição do cenário interno e externo ao O Abolicionismo deu-se, concomitantemente, à ausência das ciências sociais institucionalizadas no Brasil, inclusive, da Geografia. Tal condição deu à literatura a incumbência de narrar, descrever e interpretar a realidade do país, cujos registros resultaram em uma gama de documentos que possibilitou a construção de discursos geográficos, moldados ao princípio de nacionalidade. Partindo dessa perspectiva, conciliamos essas observações iniciais para fazer notar a questão central da presente pesquisa: Quais as principais contribuições geográficas do livro O Abolicionismo, de Joaquim Nabuco, para a interpretação da formação territorial do Brasil? Para alcançar resultados satisfatórios, tecemos, como objetivo central, analisar as contribuições geográficas da obra supracitada à compreensão da formação territorial do Brasil. Em razão disso, e como resultado da presente etapa da pesquisa, estruturamos um debate teórico centrado nos conceitos de discurso e discurso geográfico, sendo este uma prática que assume, de modo estratégico, o poder de influenciar ideologicamente o povo na conformação da nação e de uma identidade coletiva. Seguidamente, apontamos uma reflexão sobre o papel do pensamento social e da literatura brasileira, por meio da interpretação do conceito de “raças” e da construção representativa do povo e do território. Também, como processo construtivo da pesquisa, apresentamos o procedimento metodológico assumido, chamando atenção para as pesquisas bibliográfica e documental realizadas. Nesse processo, ainda destacamos a análise de que será realizada a obra O Abolicionismo, mediante caminho interpretativo dos elementos de compreensão. Como resultado desse percurso, espera-se a composição de mais dois capítulos sendo um dedicado à compreensão da obra e do autor, enfatizando o sistema articulado de saber, por intermédio dos valores e ideologias que fundamentam a perspectiva filosófica e científica no livro, como também o tempo e a designação espacial que conferiram as formas de manifestação da sociedade e da organização do território; o outro, centrado na análise crítica do livro, destacando o discurso geográfico presente n’O Abolicionismo


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 3060741 - HUGO ARRUDA DE MORAIS
Interna - 350836 - IONE RODRIGUES DINIZ MORAIS
Externo à Instituição - CLÁUDIO JORGE MOURA DE CASTILHO - UFPE
Notícia cadastrada em: 19/05/2022 08:28
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa16-producao.info.ufrn.br.sigaa16-producao