PROGBIO/CT PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA CENTRO DE TECNOLOGIA Telefone/Ramal: (84) 99193-6265 https://posgraduacao.ufrn.br/renorbio

Banca de QUALIFICAÇÃO: WESLLEY DE SOUZA PAIVA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : WESLLEY DE SOUZA PAIVA
DATA : 30/07/2021
HORA: 08:30
LOCAL: Online (Google Meet)
TÍTULO:

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE ANTIOXIDANTE DE QUITOSANA EXTRAÍDA DO FUNGO Rhizopus arrhizus URM 8111 E AVALIAÇÃO DE SEU DERIVADO CONJUGADO COM ÁCIDO GÁLICO ATRAVÉS DE TESTES IN VITRO, EM CÉLULAS E IN VIVO UTILIZANDO MODELO ZEBRAFISH (Danio rerio)


PALAVRAS-CHAVES:

Estresse oxidativo, quitosana fúngica, zebrafish.



PÁGINAS: 73
RESUMO:

O estresse oxidativo é uma causa de inúmeras doenças em humanos, isso provoca uma busca  constante de novas moléculas que possam ter capacidade antioxidante e evitar o surgimento  de doenças. O objetivo desse trabalho foi extrair quitosana de fungos (Chit-F) e sintetizar  uma nova molécula, conjugando-a com ácido gálico, a qual foi denominada de Chit-FGal, a  fim de potencilizar sua ação antioxidante. Após coleta, isolamento e identificação do fungo  como sendo da espécie Rhizopus arrizhus, foi possível extraír a quitosana e após testes físico químicos como cromatografia líquida de alta eficiência (HPLC), infravermelho por  transformada de fourier (FTIR) e ressonância magnética nuclear (RMN), confirmou-se que a  mostra era quitosana, com grau de desacetilação 86% e baixo peso molecular, além disso, sem  presença de proteínas e compostos fenólicos. Após isso, foi realizada com sucesso a síntese de quitosana fúngica + AG (Chit-FGal), comprovada pelo aumento em 4x da quantidade de  compostos fenólicos em relação a Chit-F, como também o surgimento de um pico na região  dos anéis aromáticos na análise de RMN. Ao ter as 2 amostras extraídas/sintetizadas e  caracterizadas, foram realizados os testes antioxidantes in vitro (Quelação de cobre, quelação  de ferro, Capacidade Antioxidante Total (CAT), poder redutor e sequestro de radical  superóxido), onde as amostras tiveram atividades em todos os testes, porém Chit-FGal obteve  resultados pelo menos 50% (p <0,05) superiores, demonstrando a potencialização das  atividades ao modificar a molécula nativa. Ao testar Chit-F e Chit-FGal em células de  fibroblastos (3T3), não ocorreu diminuição da viabilidade celular medida por MTT ((3-(4,5- Dimethylthiazolyl-2)-2,5-diphenyltetrazolium bromide) em nenhuma amostra, além disso, foi  realizado teste de proteção do dano causado por peróxido de hidrogênio, onde Chit-FGal na  concentração de 0,05 mg/mL demosntrou melhor proteção. Ao testar a capacidade  antioxidante in vivo utilizando modelo zebrafish (Danio rerio), foi obtido um efeito de  proteção dos embriões contra danos causados por peróxido de hidrogênio 0,06 mM (100% de  embriões vivos) e álcool 0,5% (93% de embriões vivos), posteriormente foi analisado a taxa  de morte celular via marcação com laranja de acridina, onde tanto Chit-F quanto Chit-FGal  demonstraram ação protetora contra morte celular causada por peróxido de hidrogênio e  álcool. Esses resultados demonstram o bom potencial antioxidante de quitosana extraída de  fungos do solo do bioma caatinga (Chit-F), como também a potencialização dessa ação ao  conjugar esse polímero com ácido gálico (Chit-FGal), o que torna essa nova molécula  sintetizda como promissora para uso como antioxidantem tendo potencial de evitar uma série  de problemas causados pelo estresse oxidativo. 



MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1997012 - RAQUEL CORDEIRO THEODORO
Interna - 1549705 - ADRIANA FERREIRA UCHOA
Externo ao Programa - 1346198 - EVERALDO SILVINO DOS SANTOS
Notícia cadastrada em: 05/07/2021 19:09
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2021 - UFRN - sigaa20-producao.info.ufrn.br.sigaa20-producao