CCHLA - PPGAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ANTROPOLOGIA SOCIAL DIREÇÃO DO CCHLA Telefone/Ramal: (84) 3342-2240 https://posgraduacao.ufrn.br/ppgas

Banca de DEFESA: ARTHUR LEONARDO DE LIMA PEREIRA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ARTHUR LEONARDO DE LIMA PEREIRA
DATA : 09/12/2022
HORA: 09:00
LOCAL: Auditório C - CCHLA
TÍTULO:

MONTAGEM DA MEMÓRIA: TEMPORALIDADES URBANAS NO BAIRRO DA RIBEIRA, NATAL-RN


PALAVRAS-CHAVES:

Antropologia visual. Cidade. Memória. Montagem. Ribeira. Natal/RN


PÁGINAS: 120
RESUMO:

Fruto de um intenso trabalho etnográfico realizado entre os anos 2020 e 2021, esta pesquisa é conduzida a partir de meu posicionamento enquanto antropólogo-fotógrafo, no âmbito do Núcleo de Antropologia Visual da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (NAVIS/UFRN), em pesquisas sobre imagens, itinerários e memórias do Centro Histórico de Natal, tendo o bairro da Ribeira enquanto nosso recorte espaço-temporal. Posicionamo-nos a partir da Antropologia Visual e Urbana ao abrir espaço no testemunho para a inscrição de histórias outras, no debate sobre as disputas de memória na intenção de remontar e reabrir as histórias desse bairro a partir de um momento muito particular, a Conferência de Manoel Dantas Natal daqui a cincoenta anos (1909) e o desejo da elite natalense de incluir Natal nos caminhos do progresso e da modernidade capitalista. Tal projeto é evocado por meio das imagens, que para além de registros em arquivos, constituem-se enquanto um modo de refletir a realidade material para a cidade. Perguntamo-nos sobre quais movimentos são distintivos no sentido de tecer uma reflexão acerca da incorporação de um projeto de modernidade em Natal, enquanto integrante não de uma história eurocentrada, dos vencedores, mas pensada desde a memória dos vencidos, da América Latina. A fim de ver as consequências desses processos manifestas na cidade-imagem, realizamos caminhadas etnográficas pela urbe, da qual somos afetados por um senso de estranhamento, ao notarmos em sua arquitetura os vestígios desse projeto moderno nas ruínas que fazem as passagens das memórias do passado ao presente. É preciso, pois, exercitar um olhar-escuta sensível que nos diga sobre que a cidade nos comunica ao recontar suas histórias e quais as consequências de suas transformações para seu futuro e de sua gente. É sobre caminhar à deriva (CARERI, 2017) pelos ladrilhos das vielas, trilhos de outrora que revelam caminhos acessíveis espacialmente, mas que são temporalmente inalcançáveis. A fim de realizar essa pesquisa, utilizamos procedimentos metodológicos tais como observação participante, entrevistas abertas, registros audiovisuais, pesquisas em acervos e montagens fotográficas. As análises teóricas seguiram os princípios e ferramentas da antropologia urbana e audiovisual, valendo-se dos conceitos de montagem (WARBURG, 2010; DIDI-HUBERMAN, 2015), fotobiografia e imagem-memória (BRUNO, 2012; SAMAIN, 2012), ruínas (HUYSSEN, 2014) e dialética da história (BENJAMIN, 2006).

 


MEMBROS DA BANCA:
Interna - 1211517 - ELIANE TANIA MARTINS DE FREITAS
Externo à Instituição - JOSE DUARTE BARBOSA JUNIOR - IFRN
Externo à Instituição - JOÃO MARTINHO BRAGA DE MENDONÇA - UFPB
Interna - 1149572 - LISABETE CORADINI
Presidente - 2385456 - PAULO VICTOR LEITE LOPES

Notícia cadastrada em: 23/11/2022 13:43
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação - | | Copyright © 2006-2023 - UFRN - sigaa11-producao.info.ufrn.br.sigaa11-producao