Banca de DEFESA: ITANIELLY DANTAS SILVEIRA CRUZ

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ITANIELLY DANTAS SILVEIRA CRUZ
DATA : 26/04/2021
HORA: 13:00
LOCAL: Plataforma remota
TÍTULO:

EFEITO DE DIFERENTES PROTOCOLOS DE COLAGEM DE BRÁQUETES CERÂMICOS COM LED DE ALTA POTÊNCIA NA RESISTÊNCIA DE UNIÃO E NO GRAU DE CONVERSÃO.


PALAVRAS-CHAVES:

Resistência ao Cisalhamento. Espectroscopia de Infravermelho por Transformada de Fourier. Esmalte Dentário. Braquetes Ortodônticos.


PÁGINAS: 61
RESUMO:

Objetivo: 

OBJETIVO: Analisar o efeito de diferentes protocolos de fotoativação na resistência de união ao cisalhamento (RUC) de bráquetes cerâmicos colados ao esmalte dentário e no grau de conversão (GC) de uma resina utilizando o fotoativador de alta potência Valo™ Cordless® (Ultradent) no modo Xtra power (3.200 mW/cm2). METODOLOGIA: Bráquetes foram colados (Transbond XT®, 3M Unitek) em 80 coroas de incisivos bovinos, distribuídas aleatoriamente em dois grupos (N=40): bráquetes monocristalinos (Grupo 1) e bráquetes policristalinos (Grupo 2). Cada grupo foi subdividido em 4 subgrupos (n=10) de acordo com o protocolo de fotoativação: 3 ou 6 segundos no centro; 3s na mesial/3s na distal; e 3s na cervical/3s na incisal. Após armazenamento por 4 meses (água destilada/37°C), realizou-se o ensaio de cisalhamento (100KgF, 1mm/min). Para análise do GC, foram confeccionados 80 discos de resina com os mesmos protocolos de fotoativação utilizados na colagem dos bráquetes. A RUC (MPa) foi avaliada descritivamente, pelo teste T de Student, ANOVA one- e two-way e pelo pós-teste de Tukey. O GC (%) foi avaliado descritivamente, pela ANOVA two-way e pelo pós-teste de Tukey. As falhas de união foram classificadas de acordo com o Índice Remanescente Adesivo (IRA), analisadas descritivamente e pelo teste de Kruskal-Wallis. RESULTADOS: Em relação à RUC, nem um protocolo apresentou valor clinicamente aceito; os valores foram significativamente afetados (p<0.000) pelo tipo de bráquete; e ao comparar as médias intergrupos correspondentes, observou-se p=0.003 entre os protocolos de 6s no centro e p=0.010 entre os protocolos de 3s na cervical/3s na incisal. Na avaliação do GC, os valores foram afetados de forma estatisticamente significativa pelo protocolo de fotoativação (p=0.002) e pela interação entre os fatores (tipo de bráquete*protocolo de fotoativação; p=0.033). Os escores 4 (39.4%; p>0.05) e 3 (72.5%; p=0.001) do IRA foram predominantes nos Grupos 1 e 2, respectivamente. CONCLUSÃO: Deve-se ter cautela ao realizar a colagem de bráquetes cerâmicos com o Valo™ Cordless® no modo Xtra power, pois observou-se RUCs altas e inadequadas à prática clínica. A RUC e o GC podem apresentar diferenças estatisticamente significativas a depender do protocolo de fotoativação aplicado. E, de modo geral, recomenda-se utilizar o bráquete policristalino ao monocristalino e aplicar 3 segundos de fotoativação no centro do bráquete.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2665455 - HALLISSA SIMPLICIO GOMES PEREIRA
Interno - 1009536 - SERGEI GODEIRO FERNANDES RABELO CALDAS
Externo ao Programa - 1378325 - ARTHUR CESAR DE MEDEIROS ALVES
Externo à Instituição - ARY DOS SANTOS-PINTO
Externa à Instituição - ELAINE AUXILIADORA VILELA MAIA
Notícia cadastrada em: 16/04/2021 16:06
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2021 - UFRN - sigaa08-producao.info.ufrn.br.sigaa08-producao