Banca de QUALIFICAÇÃO: GLEYSSON MATIAS DE ASSIS

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : GLEYSSON MATIAS DE ASSIS
DATA : 24/03/2021
HORA: 09:00
LOCAL: DEPARTAMENTO DE ODONTOLOGIA (VIRTUAL)
TÍTULO:

AVALIAÇÃO CLÍNICA DO USO DE ANTIBIÓTICOS EM CIRURGIAS PARA INSTALAÇÃO DE IMPLANTES DENTÁRIOS DE DOIS ESTÁGIOS: UM ENSAIO CLÍNICO CONTROLADO, CEGO E  RANDOMIZADO


PALAVRAS-CHAVES:

Palavras chave: ensaio clínico, implantes dentários, antibióticoprofilaxia, infecções.


PÁGINAS: 20
RESUMO:

Objetivo: avaliar por meio de um ensaio clínico controlado, randomizado e triplo cego a necessidade de profilaxia antibiótica, utilizando 3 regimes de antibióticoterapia, em pacientes submetidos a instalação de implantes dentários de dois estágios. Materiais e métodos: todos os pacientes assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido (TCLE). Para a randomização foi utilizado a função aleatório do Microsoft Excel (2010), que dividiu os grupos de forma aleatória e os pacientes foram alocados de acordo com a lista gerada pelo programa. Os sujeitos da pesquisa foram divididos em 3 grupos: grupo 1 (G1) formado por pacientes que não utilizaram profilaxia antibiótica, o grupo 2 (G2) formado por pacientes que fizeram uso da profilaxia antibiótica pré-operatória com amoxicilina 1 g por via oral 1 hora antes do procedimento e o grupo 3 (G3), que utilizaram profilaxia antibiótica pré-operatória com amoxicilina 1g por via oral 1 hora antes do procedimento e manutenção do antibiótico, sendo 500 mg de amoxicilina por 05 dias a cada 08 horas. Todos os pacientes receberam o mesmo protocolo para controle da dor e edema, com doses de 8 mg de dexametasona e 500 mg de dipirona sódica,1 hora antes da cirurgia, ambos por via oral, com manutenção da dipirona sódica a cada 6 horas em caso de dor. Quatro períodos de avaliação no pós-operatório foram determinados, sendo T1 (7dias), T2 (14 dias), T3 (30 dias) e T4 (120 dias). As variáveis avaliadas foram: infecção, dor (escala visual analógica- EVA, e número de analgésicos), deiscência de ferida e exposição do implante. Além disso, no tempo t4 foi realizado a reabertura do implante para avaliação, da mobilidade de implante por meio do torque manual, e a perda óssea. Resultados: um total de 60 pacientes foram incluídos nesse estudo, totalizando 114 implantes dentários avaliados. Afim de não romper o cegamento até que todos os pacientes apresentem os quatro tempos de avaliação completos, os resultados serão demonstrados de forma descritiva, sem associação com os grupos. A utilização de profilaxia antibiótica em pacientes que são submetidos a implantes dentários ainda é controversa, ainda mais quando são implantes de dois estágios cirúrgicos. Na tentativa de responder a real necessidade de profilaxia antibiótica em implantes de dois estágios quanto aos parâmetros clínicos de infecção pós-operatória, dor e perda de implantes até a reabertura, espera-se com os resultados da presente pesquisa tentar padronizar a prática clínica em implantodontia quanto ao uso profilático de antibióticos em implantes de dois estágios cirúrgicos.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2379951 - ADRIANO ROCHA GERMANO
Interno - 1879551 - FABIO ROBERTO DAMETTO
Interno - 3318536 - JOSE SANDRO PEREIRA DA SILVA
Notícia cadastrada em: 22/03/2021 16:49
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2021 - UFRN - sigaa19-producao.info.ufrn.br.sigaa19-producao