Banca de QUALIFICAÇÃO: RAYANNE KARINA SILVA CRUZ

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : RAYANNE KARINA SILVA CRUZ
DATA : 28/12/2020
HORA: 09:00
LOCAL: Plataforma Remota
TÍTULO:

COMPARAÇÃO DA IMPLANTOPLASTIA E DEBRIDAMENTO MECÂNICO NO TRATAMENTO CIRÚRGICO DA PERI- IMPLANTITE


PALAVRAS-CHAVES:

Peri-implantite; Terapêutica; Implantação Dentária.


PÁGINAS: 55
RESUMO:

A peri-implantite é considerada uma doença progressiva e irreversível ao redor dos implantes dentários, envolvendo os tecidos moles e acompanhada de reabsorção óssea. A terapia cirúrgica tem sido apontada como a estratégia mais apropriada para o tratamento da peri-implantite combinando conceitos da terapia não-cirúrgica com procedimentos ressectivos e/ou regenerativos. O estudo objetivou avaliar o efeito da terapia cirúrgica da peri-implantite comparando a implantoplastia e o debridamento mecânico. Trata-se de um ensaio clínico prospectivo, controlado, randomizado e duplo cego. Os participantes foram alocados aleatoriamente em dois grupos: acesso cirúrgico + debridamento mecânico (grupo controle-I) e acesso cirúrgico + debridamento mecânico + implantoplastia (grupo teste-II). Os parâmetros clínicos avaliados  aos 3 meses foram o índice de placa visível (IPV), índice de sangramento gengival (ISG), profundidade de sondagem (PS), nível ósseo (NO), sangramento à sondagem (SS); bem como a avaliação da qualidade de vida pelo Oral Health Impact Profile (OHIP-14). Também foram coletadas amostras de biofilme subgengival para análise microbiológica e fluido salivar para análise de marcadores de estresse oxidativo. Os resultados preliminares apontam que dos 9 participantes com 21 implantes tratados, 77,8% são do gênero feminino, com idade média de 61,3 anos. Dos 21 implantes, 13 receberam a terapia I e 8 a terapia II. De todas as reabilitações, 66,6% foram com próteses totais, 22,2% eram parciais e 11,1% eram unitário. Para análise estatística, foi utilizado o teste de Wilcoxon com nível de significância de 5%. Houve redução estatisticamente significativa do IPV (76% para 58%) no grupo teste e do ISG (66% para 33%%) no grupo controle, aos 3 meses. No entanto, não houve diferenças significativas dentro dos grupos em relação à PS quando foram comparados em cada período, e nem ao comparar cada grupo de intervenção


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1660087 - BRUNO CESAR DE VASCONCELOS GURGEL
Interno - 1149540 - ANGELO GIUSEPPE RONCALLI DA COSTA OLIVEIRA
Externo à Instituição - FERNANDO JOSE DE OLIVEIRA NOBREGA - UERN
Notícia cadastrada em: 17/12/2020 09:56
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2021 - UFRN - sigaa20-producao.info.ufrn.br.sigaa20-producao