Banca de DEFESA: JOAQUIM FELIPE JUNIOR

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : JOAQUIM FELIPE JUNIOR
DATA : 20/02/2020
HORA: 15:00
LOCAL: SALA III DO DEPARTAMENTO DE ODONTOLOGIA
TÍTULO:

AVALIAÇÃO MORFOLÓGICA E IMUNOHISTOQUÍMICA DO POTENCIAL PROLIFERATIVO EPITELIAL DAS LESÕES CÍSTICAS ODONTOGÊNICAS AGRESSIVAS


PALAVRAS-CHAVES:

cistos odontogênicos; ciclina D1; EGFR; SOX 2.


PÁGINAS: 66
RESUMO:

INTRODUÇÃO: Os cistos odontogênicos são conhecidos pelo seu potencial de crescimento e reabsorção óssea dos ossos gnáticos, que variam de indolentes a agressivas, independente de sua histogênese, vinculada aos remanescentes epiteliais, ectomesenquimais e/ou mesenquimais da odontogênese. Estas lesões em sua maioria, apesentam patogênese controversa, motivo pelo qual estimulam numerosas investigações sobre a possível relação entre o epitélio odontogênico e o desenvolvimento destas lesões. OBJETIVO: Analisar os diferentes padrões de proliferação do epitélio odontogênico das lesões císticas odontogênicas de comportamento mais agressivo, através da analise da imunoexpessão do fator de crescimento epidérmico (EGFR) e da via de transcrição SOX 2 no controle das fases do ciclo celular (ciclina D1) em lesões odontogênicas de caráter agressivo. MATERIAIS E MÉTODOS: Estudo seccional com amostra não probabilística por conveniência composta por 31 casos, sendo 10 casos de ceratocistos odontogênicos recidivantes, 10 casos de ceratocistos odontogênicos (COs) isolados, 7 casos de cistos odontogênicos botrióides (BOC) e 4 casos de cistos odontogênicos glandulares (COG). RESULTADOS: Ao analisar estatisticamente com os testes de Mann-Whitney e Kruskal-Wallis; P <0,05 foi considerado significativo. A maior expressão de células positivas para ciclina D1 foi observada na camada suprabasal de ceratocistos odontogenicos (P <0,001) e nas camadas basal e suprabasal dos COGs (P <0,001), e porções dos COBs (P>0,001). Não houve diferença estatística entre os COs recorrente e não recorrentes. Além disso, todos os casos de COs, COBs e COGs foram positivos para EGFR em todas as camadas do revestimento epitelial cístico. Os COBs e COGs apresentaram negatividade para o SOX 2 enquanto que nos COs foram encontrados alta expressão de SOX 2 na camada suprabasal. CONCLUSÕES: A ciclina D1 implica nos distúrbios do ciclo celular nas fases G1-S refletindo na agressividade dos COs e COGs. A superexpressão do EGFR demonstrada nos COs, COBs e COGs sugeri que a combinação citoplasmática e citoplasmática membranosa é indicativo do potencial de proliferação do revestimento epitelial. O alto padrão da expressão do SOX 2 no CO também pode explicar a natureza agressiva da lesão e são responsáveis pela presença de numerosos cistos-filhos responsáveis por sua alta taxa de recorrência. A subpopulação de CSC se apresenta como motivo de recorrência aos COs, pela propriedade de auto-renovação e pluripotência destas células.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1258707 - ANTONIO DE LISBOA LOPES COSTA
Externa à Instituição - CONCEIÇÃO APARECIDA DORNELAS MONTEIRO MAIA - UNIFACEX
Presidente - 350485 - HEBEL CAVALCANTI GALVAO
Notícia cadastrada em: 11/02/2020 17:04
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2021 - UFRN - sigaa23-producao.info.ufrn.br.sigaa23-producao