Banca de DEFESA: PATRÍCIA NÓBREGA GOMES

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : PATRÍCIA NÓBREGA GOMES
DATA : 16/12/2019
HORA: 14:00
LOCAL: Departamento de Odontologia
TÍTULO:

ALTERAÇÕES DENTÁRIAS EM CRIANÇAS COM MICROCEFALIA ASSOCIADA À SÍNDROME CONGÊNITA DO ZIKA VÍRUS E OUTRAS INFECÇÕES CONGÊNITAS


PALAVRAS-CHAVES:

MICROCEFALIA, ANORMALIDADES DENTÁRIAS, ZIKA VÍRUS


PÁGINAS: 78
RESUMO:

As consequências da microcefalia associada ou não à Síndrome Congênita do Zika Vírus (SCZ) no desenvolvimento odontológico da criança afetada ainda não são bem conhecidas. Os objetivos deste estudo foram avaliar a frequência de alterações dentárias em crianças com microcefalia, analisar se há associação das alterações dentárias com a SCZ e verificar se a microcefalia é fator de risco para as alterações dentárias. Foram realizados dois estudos observacionais transversais e um estudo do tipo caso-controle. Um único examinador calibrado avaliou a presença de alterações dentárias de número, forma e tamanho, alterações na cronologia e sequência de irrupção dentária e alterações no desenvolvimento do esmalte dentário em crianças com microcefalia, associada à SCZ e outras infecções congênitas, e em crianças normoreativas. Informações relacionadas à gestação da mãe e ao nascimento da criança foram coletadas e um questionário socioeconômico foi aplicado. Os dados foram avaliados descritivamente e, como testes de associação, foram utilizados o teste do Qui-quadrado e Exato de Fisher, considerando um nível de significância de 5% (estudos 2 e 3). A amostra do primeiro estudo foi composta por 49 crianças entre 7 e 35 meses de idade apresentando microcefalia associada à SCZ. As alterações mais prevalentes foram as relacionadas à cronologia de irrupção (93,9%; IC95%= 89–99%), às alterações no desenvolvimento do esmalte dentário (76,1%; IC95%= 64–88%) e sequência de irrupção dentária (71,7%; IC95%= 60–84%). No segundo estudo, 62 crianças, com idade entre 7 e 35 meses, portadoras de microcefalia associada à SCZ (Grupo SCZ) e outras infecções congênitas (Grupo STORCH) compuseram a amostra. Não houve diferença estatisticamente significativa entre os grupos em relação à alteração na cronologia (p = 1,00) e sequência de irrupção dentária (p = 0,16) e às alterações de desenvolvimento do esmalte dentário (p = 1,00). No estudo de caso-controle, 81 crianças entre 30 e 35 meses de idade, normoreativas e portadoras de microcefalia, fizeram parte da amostra, a qual, após identificadas as frequências de cada uma das alterações dentárias, foi emparelhada pelo sexo e idade, na proporção 1:1, e alocadas nos grupos caso (presença de alterações dentárias) e controle (ausência de alterações dentárias). A presença de microcefalia mostrou-se estatisticamente associada ao atraso na irrupção dentária (p < 0,001), à presença de alterações na sequência de irrupção dentária (p < 0,001) e de defeitos no esmalte dentário (p < 0,001). Concluiu-se que as crianças com microcefalia associada à SCZ apresentaram atraso na irrupção dentária, alterações na sequência irruptiva e hipomineralização do esmalte dos dentes decíduos, no entanto, a infecção pelo vírus Zika não foi associada à ocorrência dessas alterações dentárias. A microcefalia, independente de sua etiologia, é fator de risco para alterações relacionadas ao processo de irrupção dentária e ao desenvolvimento do esmalte dos dentes decíduos.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 277398 - KENIO COSTA DE LIMA
Interna - 2644142 - PATRICIA TEIXEIRA DE OLIVEIRA
Externa ao Programa - 1718635 - ISABELITA DUARTE AZEVEDO
Externo à Instituição - ANA FLÁVIA GRANVILLE GARCIA - UFPB
Externo à Instituição - HENIO GODEIRO LACERDA - UnP
Notícia cadastrada em: 03/12/2019 15:03
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2021 - UFRN - sigaa08-producao.info.ufrn.br.sigaa08-producao