Banca de DEFESA: BEATRIZ AGUIAR DO AMARAL

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : BEATRIZ AGUIAR DO AMARAL
DATA : 16/08/2019
HORA: 14:00
LOCAL: DEPARTAMENTO DE ODONTOLOGIA
TÍTULO:

CARACTERÍSTICAS OCLUSAIS DE BEBÊS COM MICROCEFALIA ASSOCIADA AO VÍRUS ZIKA


PALAVRAS-CHAVES:

Microcefalia; Maloclusão; Dentição Decídua.


PÁGINAS: 89
RESUMO:

Introdução: A microcefalia em um nascido vivo é definida como uma anomalia em que perímetro cefálico (PC) está abaixo do padrão de curvas apropriadas para idade e gênero. A etiologia pode envolver anormalidades genéticas, síndromes, distúrbios metabólicos, teratógenos, infecções pré-natal, perinatal e pós-natal. Porém, essa malformação tornou-se muito mais prevalente com o surto recente do vírus Zika. Objetivos: Determinar a prevalência de maloclusão entre bebês com microcefalia associada ao vírus Zika (MZV) e descrever as características de maloclusão mais comuns nessa população (Artigo 1); identificar diferenças em gêmeas univitelinas com e sem microcefalia associada à infecção pelo vírus Zika durante o segundo trimestre da gestação (Artigo 2); descrever as alterações dentoesqueléticas em dois bebês que representavam infeção pelo vírus Zika durante o primeiro trimestre da gestação (Artigo 3). 

Metodologia: O artigo 1 foi um estudo transversal que incluiu pacientes com diagnóstico de MZV (40) entre 30 e 36 meses e um grupo de comparação com bebês saudáveis (40), aleatoriamente selecionadas com as mesmas características sociodemográficas. A análise estatística utilizou análise descritiva, o teste qui-quadrado de Pearson e a regressão logística multivariada. Os artigos 2 e 3 foram relatos de casos, um com infecção no segundo trimestre da gestação e outro no primeiro, respectivamente. Resultados: No artigo 1 foi demonstrado uma prevalência significativamente maior de maloclusões em bebês MZV em comparação ao grupo controle (p<0,001). Pacientes com MZV possuíram maior probabilidade de possuir irrupção tardia (p<0,001), formato da arcada superior e inferior atrésico (p<0,001), overjet acentuado (p<0,001) e mordida cruzada posterior (p= 0,004). No artigo 2 o comprometimento muscular foi a característica mais marcante para a gêmea com microcefalia. No artigo 3 foi demostrado ocorrência de irrupção tardia, hipodontia, tendência a crescimento vertical, perfil convexo, comprometimento do tônus muscular, incompetência de selamento labial, mordida aberta, desvio de linha média e arcos atrésicos. Conclusões: Conclui-se que existe uma maior probabilidade de irrupção tardia e prevalência maior de maloclusões em bebês MZV, dentre elas o formato da arcada superior e inferior atrésico, overjet acentuado e mordida cruzada posterior (Artigo 1). Além disso, o período de infecção pelo vírus parece determinar a gravidade das características encontradas: quando no segundo trimestre pode determinar uma menor ocorrência de problemas dentários e manutenção das alterações neuromusculares (Artigo 2); e quando no primeiro trimestre o comprometimento dentoesquelético é maior associados às alterações funcionais. (Artigo 3).


MEMBROS DA BANCA:
Externa à Instituição - ANA MARLY ARAUJO MAIA AMAORIM - UEPB
Externo à Instituição - BERNARDO QUIROGA SOUKI - PUCMinas
Interna - 2665455 - HALLISSA SIMPLICIO GOMES PEREIRA
Externa ao Programa - 1718635 - ISABELITA DUARTE AZEVEDO
Presidente - 1009536 - SERGEI GODEIRO FERNANDES RABELO CALDAS
Notícia cadastrada em: 16/07/2019 11:35
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2021 - UFRN - sigaa12-producao.info.ufrn.br.sigaa12-producao