Banca de DEFESA: THAIS OLIVEIRA CORDEIRO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : THAIS OLIVEIRA CORDEIRO
DATA : 27/06/2019
HORA: 08:30
LOCAL: Departamento de Odontologia
TÍTULO:

EFEITO DO EXTRATO DA FOLHA DE SPONDIA MOMBIN (CAJÁ) SOBRE A SUPERFÍCIE DE DENTES HUMANOS

 


PALAVRAS-CHAVES:

Palavras chave: Medicamentos fitoterápicos. Spondias. Espectroscopia. Dentária.



PÁGINAS: 52
RESUMO:

INTRODUÇÃO: O tratamento com fitoterápicos tem como objetivo prevenir e curar doenças ou pelo menos minimizar seus sintomas. Apresenta vantagens como custo acessível à população e aos serviços públicos de saúde; grande disponibi­lidade de matéria-prima. Possui também amplo espectro de ações farma­cológicas que incluem atividades anti­-inflamatória, antimicrobiana, ansiolítica, cicatrizante dentre outras. OBJETIVO:  Investigar as alterações na superfície dentária frente ao extrato de cajá (Spondias mombin L.).  METODOLOGIA: Trinta dentes humanos foram seccionados (6,0 x 6,0 mm) preservando as proximais. Os fragmentos foram divididos aleatoriamente em 3 grupos (n=10 por grupo) de acordo com as substâncias: extrato hidroetanólico (31,25mg/ml), clorexidina 0,12% e água destilada. Cada fragmento foi imerso nas respectivas substâncias por 1 minuto, 2 vezes ao dia, durante 14 dias. Antes e após a imersão nas soluções, foram realizadas análises de cor, molhabilidade, rugosidade (Ra) e morfologia. O pH das substâncias também foi investigado. Os dados foram analisados estatisticamente por meio de ANOVA (1 e 2 fatores) e teste de Tukey para múltiplas comparações. RESULTADOS: Não houve diferença estatisticamente significativa em relação a cor entre as diferentes substâncias. O extrato de cajá e clorexidina 0,12% apresentaram diferenças significativas (p<0,001), enquanto água destilada não apresentou diferenças estatísticas (p>0,005). Quanto a molhabilidade, não houve diferença estatisticamente significativa entre extrato de cajá (p>0,005), clorexidina 0,12% (p>0,005) e água destilada (p>0,005). Para rugosidade, não houve diferença estatisticamente significante entre as substâncias analisadas (p>0,0005). Além disso, não houve diferença estatística entre as substâncias e o tempo de imersão (p <0,0001). O pH médio do extrato hidroetanólico de cajá e clorexidina 0,12% was de 2,95 e 6,5, respectivamente.CONCLUSÃO: O pH do extrato de S.mombin L. é ácido e da clorexidina é neutro. A molhabilidade do extrato hidroetanólico de cajá foi bom tanto quanto a clorexidina. A cor dos fragmentos dentários foi alterada após o protocolo de imersão no extrato hidroetanólico de cajá e clorexidina 0,12%. A rugosidade dos fragmentos dentários analisados se manteve inalterada após o protocolo de imersão nas diferentes soluções testadas. O exame de microscopia eletrônica de varredura mostrou que não houve diferença na superfície do esmalte entre as soluções testadas.

 


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1958729 - RUTHINEIA DIOGENES ALVES UCHOA LINS
Externa ao Programa - 1490222 - SILVANA MARIA ZUCOLOTTO LANGASSNER
Externa à Instituição - EMANUELLE DAYANA VIEIRA DANTAS - UNP
Notícia cadastrada em: 18/06/2019 15:06
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2021 - UFRN - sigaa17-producao.info.ufrn.br.sigaa17-producao