Banca de QUALIFICAÇÃO: RACHEL GOMES CARDOSO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : RACHEL GOMES CARDOSO
DATA : 19/06/2019
HORA: 10:00
LOCAL: Departamento de Odontologia
TÍTULO:

IMPACTO DO TIPO DE SUPERFÍCIE OCLUSAL DE DENTES POSTERIORES NA QUALIDADE DE VIDA, SATISFAÇÃO E PERFORMANCE MASTIGATÓRIA DE USUÁRIOS DE PRÓTESES TOTAIS BIMAXILARES


PALAVRAS-CHAVES:

Idoso; Prótese Total; Oclusão Dentária; Mastigação; Qualidade de vida


PÁGINAS: 92
RESUMO:

Objetivo: Avaliar o desempenho de próteses totais (PT) com dentes anatômicos e não anatômicos em pacientes idosos desdentados totais, quanto ao impacto na qualidade de vida relacionada à saúde bucal (OHQoL), satisfação, performance mastigatória (PM) e úlceras após a instalação das PTs.Materiais e métodos:Em um ensaio clínico randomizado crossover, desdentados totais foram divididos em dois grupos: Grupo DA (reabilitados com dentes anatômicos e, após, 3 meses, com dentes não anatômicos) e Grupo DN (reabilitados com dentes não anatômicos e, após 3 meses, com dentes anatômicos). A coleta de dados foi realizada  em T0 (3 meses após a reabilitação) e T1 (6 meses após a reabilitação). O OHQoL foi analisada através do OHIP-EDENT e a satisfação através de um questionário desenvolvido por Sato, et al. (2000). A PM foi avaliada pelo método da análise granulométrica, após a mastigação de um alimento artificial optocal. A quantidade de ajustes na base da prótese devido a presença de úlceras também foram avaliadas de forma numérica. Para a análise dos dados, foram utilizados os testes de Mann-Whitney, Wilcoxon e correlação de Spearman. Resultados: A amostra inicial foi composta por 41 idosos, com idade média de 69,82 anos. Com relação ao  OHIP-EDENT, a média no T0 para o grupo DA foi de 4,29 (±3,76) e no T1 de 2,80 (±5,24) (p=0,064); para o grupo DN, esses valores corresponderam a 5,86 (±5,44) e 4,73(±4,84), respectivamente (p=0,65). Quanto a satisfação, observa-se que o grupo DA apresentou melhor satisfação quando comparado ao grupo DN em alguns itens em T0 e T1. A PM média para os indivíduos do grupo DA foi de 6,58 mm (±0,63) no T0 e de 6,58 (±0,58) no T1 (p = 0,975). Para o grupo DN, os valores médios encontrados foram 6,61 mm (±0,58) no T0 e 6,62 mm (±0,50) no T1, não havendo diferença significativa quanto a mudança de superfície oclusal (p=0,767). Conclusão:  O tipo de superfície oclusal empregado na reabilitação não influenciou na PM, nem o OHQoL, a qual apresentou um resultado relativamente positivo em ambos os grupos, indicando que ambos os tipos oclusais são semelhantes quanto a esses aspectos. Entretanto, em alguns itens da satisfação, o grupo DA demonstrou melhores resultados quando comparado ao grupo DN.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1459400 - ADRIANA DA FONTE PORTO CARREIRO
Interno - 1466265 - GUSTAVO AUGUSTO SEABRA BARBOSA
Interna - 1678126 - PATRICIA DOS SANTOS CALDERON
Notícia cadastrada em: 11/06/2019 08:31
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2021 - UFRN - sigaa05-producao.info.ufrn.br.sigaa05-producao