Banca de QUALIFICAÇÃO: ISABELLE HELENA GURGEL DE CARVALHO

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ISABELLE HELENA GURGEL DE CARVALHO
DATA : 23/04/2019
HORA: 14:00
LOCAL: SALA III
TÍTULO:

 INFLUÊNCIA DAS DIFERENTES TÉCNICAS DE ACABAMENTO E POLIMENTO NA RESISTÊNCIA À FLEXÃO DE ZIRCONIA ULTRA TRANSLUCIDA APÓS ENVELHECIMENTO IN SITU


PALAVRAS-CHAVES:

zircônia Y-TZP; espessura; resistência à flexão; polimento.


PÁGINAS: 48
RESUMO:

            Introdução: As restaurações em zircônia monolítica podem exigir ajustes em sua estrutura antes da cimentação. embora a zircônia seja densamente sinterizada  e com  espaços vazios mínimos, a transformação de fase tetragonal para a fase monoclínica (te > mo) pode ocorrer com aplicação de estresses externos ou envelhecimento, o que pode modificar a resistência mecânica do material.  Dessa forma, o objetivo desse estudo foi investigar a influência de diferentes regimes de acabamento e do envelhecimento IN SITU na resistência à flexão e topografia superficial da zircônia ultra translúcida.  Metodologia: 240 barras de zircônia (UT: Prettau Anterior/Ultratranslúcida, zirkonzahn, Gais, Itália) foram confeccionadas nas dimensões 1,3x 2,5x10mm e ,0,9x 2,5x10mm, lixadas e sinterizadas, apresentando dimensões finais de 1,0 x 2 x 8mm e 0,5 x 2 x 8mm. As barras foram divididas em 16 grupos (n=15) de acordo com três fatores “envelhecimento in situ”- 2 níveis (Com “E” e Sem), “espessura”- 2 níveis (1- 1 mm ou 05- 0,5mm) e “Acabamento e Polimento” – 4 níveis (C- Controle; B- Borrachas; P- Asperização com pontas; PB- Asperização com pontas + Borrachas). As barras foram submetidas ao ensaio de miniflexão (3 pontos) em máquina de ensaio universal (v- 1mm/min, célula carga 100 kgf). Duas amostras de cada grupo foram preparadas para as análises topográficas em MEV. Os dados foram analisados estatisticamente por meio de ANOVA (3 fatores) e Tukey (5%). Resultados: ANOVA (3 fatores) revelou que os fatores “Espessura” (p=0.0599) e “envelhecimento in situ” (p= 0.5040) não apresentaram diferenças estatisticamente significativas. Enquanto “Acabamento e Polimento” (p=0,0000; B: 476.40A Mpa > C: 420.92B MPa,> PB: 329.33c Mpa > P: 269.88D), foram estatisticamente significantes. No teste Tukey, B1 (449.07±100.30ABCD), B0,5(513.53±101.49A), BE1 (455.87±93.160ABC), e BE0,5  (487.13±118.05A ) apresentaram os maiores valores de resistência à flexão. Os grupos tratados com ponta diamantada P1 (257.13±47.872G), P0,5 (269.60±55.01FG), PE1 (292.93±58.676FG) e PE0,5 (259.87±43.388G) apresentaram as menores médias de resistência à flexão.


MEMBROS DA BANCA:
Interna - 1678126 - PATRICIA DOS SANTOS CALDERON
Interno - 1640419 - RODRIGO OTHAVIO DE ASSUNCAO E SOUZA
Externa ao Programa - 2492886 - SAMIRA ALBUQUERQUE DE SOUSA
Notícia cadastrada em: 15/04/2019 10:39
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2021 - UFRN - sigaa11-producao.info.ufrn.br.sigaa11-producao