Banca de DEFESA: MARCELA DIMENSTEIN

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : MARCELA DIMENSTEIN
DATA : 10/12/2021
HORA: 14:30
LOCAL: sala virtual - meet.google.com/pbd-xxem-zzv
TÍTULO:

Experiências urbanas de migração: reflexões sobre migrantes chineses e venezuelanos na cidade de João Pessoa/PB


PALAVRAS-CHAVES:

Fenômeno migratório; Experiencia urbana; Provisoriedade; Translocalidade.


PÁGINAS: 282
RESUMO:

Presentes em toda a história a humanidade, os movimentos migratórios são objetos de interesse de diversos campos disciplinares. A inserção de uma população de migrantes internacionais na cidade tem impactos diretos e indiretos nas atividades comerciais, no sistema sociocultural, nos padrões de ocupação, na produção e imagem do espaço. Essa argumentação, plenamente aceita nas décadas passadas, está hoje em debate, pois o atual contexto de integração mundial e neoliberalismo, tem transformado os padrões migratórios. A relação cidade-migrante na atualidade evidencia que, em muitos casos, problemas presentes no cotidiano das populações dos países (em especial, dos periféricos) se mesclam com as experiências trazidas e vivenciadas pelos novos habitantes – como o direito à cidade, a segregação espacial, a mobilidade urbana e as condições de trabalho – reforçando padrões de desigualdade, relativos a indicadores tradicionais dos estudos urbanos (Moradia, Mobilidade, Trabalho, Lazer e Hábitos Culturais). Nesse contexto, a tese teve como questões de partida: Como o perfil do migrante atual impacta na alteridade? Que efeitos esses migrantes produzem na cidade, especificamente, nos bairros nos quais se instalam? Na condição de resposta preliminar, a hipótese de trabalho indica que, embora se construa a partir das peculiaridades locais, a experiência urbana do migrante internacional reflete as características do fenômeno migratório mundial e globalizado, como a provisoriedade e a translocalidade, os quais organizam os modos de trabalho, moradia, deslocamentos e lazer no espaço. A tese analisa a experiência urbana de dois grupos étnicos distintos e recém-chegados à João Pessoa, Paraíba, que se destacam pela forte presença em dois bairros: os migrantes chineses no Centro e os refugiados venezuelanos em Mangabeira, Zona Sul. Buscamos especificamente, conhecer as suas dinâmicas de ocupação da área urbana e identificar indicadores de presença comuns aos dois grupos, a fim de esclarecer aspectos que os aproximam e os diferenciam. A proposta metodológica, de caráter qualitativo, utilizou observação de campo, entrevista semiestruturada e, no caso venezuelano, oficina usando a técnica do Teatro do Oprimido, de Augusto Boal. O estudo possibilita ampla compreensão sobre: (i) impactos do atual fenômeno migratório na cidade; (ii) adaptação do migrante à nova realidade; (iii) efeitos produzidos pelos dois grupos (chineses e venezuelanos) em diferentes áreas da cidade de João Pessoa; (iv) particularidades que caracterizam as experiências urbanas destes grupos. Além de incentivar o reconhecimento e a valorização da população migrante, espera-se incitar novas pesquisas no campo da Arquitetura e do Urbanismo.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1149643 - GLEICE VIRGINIA MEDEIROS DE AZAMBUJA ELALI
Interna - 347575 - AMADJA HENRIQUE BORGES
Interno - 1149528 - MARCIO MORAES VALENCA
Externa à Instituição - JOVANKA BARACUHY CAVALCANTI SCOCUGLIA - UFPB
Externo à Instituição - WILSON RIBEIRO DOS SANTOS JUNIOR - UNICAMP
Notícia cadastrada em: 17/11/2021 11:56
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa03-producao.info.ufrn.br.sigaa03-producao