Projeto Pedagógico do Curso

Com base nas DCN para o curso de graduação em Estatística, o profissional em Estatística deve:

1) ser capaz de abordar com competência os problemas relacionados a sua área de atuação, tais como: coleta, organização, síntese de dados e ajuste de modelos, aliando conhecimentos teóricos sólidos e atualizados a um treinamento prático;

2) estar apto para lidar com problemas novos, investigar e implementar soluções criativas para tais, além de interpretar criticamente novos conhecimentos; 

3) ter atuação ética, autônoma, crítica, criativa e empreendedora, visando buscar soluções de questões colocadas pela sociedade e pelo mercado de trabalho;

4) ser capaz de trabalhar de forma integrada com os profissionais da sua área e de outras áreas.

De acordo com a Lei nº 4.739, de 15 de julho de 1965, que disciplina a profissão do Estatístico, bem como, as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de estatística instituídas pela Resolução CNE/CES nº 8, de 28 de novembro de 2008, e tendo em vista o perfil desejado para essa profissão, o curso de Estatística da UFRN deverá priorizar o desenvolvimento das seguintes competências e habilidades:

1) possuir capacidade crítica para analisar os conhecimentos adquiridos e assimilar novos conhecimentos científicos e/ou tecnológicos necessários à atuação em equipe multidisciplinar;

2) ter capacidade de expressão e de comunicação;

3) ter habilidade numérica; raciocínio lógico e atenção concentrada; exatidão e rapidez de cálculo; meticulosidade e facilidade para associar, deduzir e sintetizar;

4) dominar a aplicação da matemática a problemas concretos;

5) ter conhecimento das formas de medição das variáveis de sua área de atuação e de organização e manipulação dos dados;

6)   ter pleno domínio da linguagem técnica estatística, aliada à capacidade de adequação dessa linguagem à interação com profissionais das diversas áreas do conhecimento e à comunicação com a sociedade;

7)   dominar métodos e técnicas de informática, especialmente no tocante à utilização de softwares estatísticos;

8)   saber produzir sínteses numéricas e gráficas dos dados, através da construção de índices, mapas e gráficos;

9)   saber usar os modelos básicos de análise estatística, de forma especial os modelos de associação entre uma variável resposta e um conjunto de variáveis explicativas;

10) ser capaz de, a partir da análise dos dados, sugerir mudanças no processo, na política pública, na instituição, etc.;

11) dominar, ao menos em nível de leitura, uma língua estrangeira, preferencialmente, a inglesa;

12) ter capacidade para desenvolver ações de natureza empreendedoras e gerenciais.

A matriz curricular do curso de Estatística está organizada em conformidade com as Diretrizes Curriculares Nacionais para cursos de Bacharelado em Estatística, Resolução CNE/CES nº 08, de 28 de novembro de 2008, e Parecer CNE/CES nº 214/2008 que altera a referida resolução. No âmbito da UFRN, este PPC observa e atende a Resolução nº 037/2019-CONSEPE que trata de alterações no Regulamento dos Cursos Regulares de Graduação da UFRN; a Resolução nº 038/2019 - CONSEPE, que regulamenta a inserção curricular das ações de extensão universitária nos cursos de Graduação da UFRN e a Resolução nº 026/2019 - CONSUNI, que institui a Política de Inclusão e Acessibilidade e a Resolução nº 027/2019 - CONSUNI que regulamenta a Rede de Apoio à Política de Inclusão e Acessibilidade e a Comissão Permanente de Inclusão e Acessibilidade da UFRN.

 

A organização da estrutura curricular busca adaptar-se ao dinamismo das demandas do perfil profissional exigido pela sociedade, em que a graduação desempenha um papel inicial no processo de formação permanente. A proposta ora apresentada prevê a discussão periódica dessas exigências e a adequação do curso a estas, tomando o cuidado de não se submeter apenas às regras impostas pelo mercado de trabalho.

 

A articulação do ensino com a pesquisa e a extensão é uma preocupação central do projeto, considerando que a UFRN tem, como instituição pública, a missão de "educar, produzir e disseminar o saber universal contribuindo para o desenvolvimento humano e comprometendo-se com a justiça social, a democracia e a cidadania" (Plano de Desenvolvimento Institucional - PDI).

 

Além das atividades de ensino, por meio de aulas teóricas e práticas, o projeto pedagógico do curso de Estatística prevê que os alunos deverão integralizar parte de sua carga horária acadêmica, também, com atividades de pesquisa e extensão. Para isso, deverão atuar em consultorias estatísticas através de um órgão do Departamento de Estatística, denominado Laboratório de Estatística Aplicada (LEA), participar de Seminários e Congressos, realizar estágios em empresas sediadas na grande Natal, engajar-se em projetos de ensino, pesquisa e extensão, especialmente ligados às bases de pesquisa do Departamento de Estatística, além de participar de outras ações relacionadas a essas atividades acadêmicas.

 

CONTEÚDO DOS COMPONENTES CURRICULARES

 

Os programas dos componentes curriculares foram organizados de forma a permitir uma interação entre estes e a aprendizagem contínua, utilizando aulas computacionais. No ciclo básico (três primeiros semestres) encontram-se componentes de formação básica, cujo conteúdo têm a finalidade de proporcionar ao aluno uma formação sólida em matemática, probabilidade e informática que dão a fundamentação necessária para as os componentes do chamado ciclo profissionalizante.

 

Os componentes do ciclo básico do curso são ministrados por três departamentos: Matemática (DMAT), Informática e Matemática Aplicada (DIMAp) e Estatística (DEST). O Departamento de Matemática é responsável por quatro componentes cujos conteúdos são organizados de forma que o aluno adquira o conhecimento necessário em cálculo, álgebra linear e geometria analítica e vetorial. 

 

O Departamento de Informática e Matemática Aplicada é responsável por quatro componentes cujo conteúdo objetiva o conhecimento por parte do aluno de algoritmos e programação de computadores, linguagens de programação, cálculo numérico e introdução a banco de dados relacionais. Já o conteúdo dos componentes curriculares do Departamento de Estatística, no ciclo básico, fornece a base teórica necessária para o curso e seus conteúdos são organizados de forma a fornecer fundamentos sólidos referentes à probabilidade e estatística (componentes: Estatística Descritiva, Probabilidade Básica I e Probabilidade Básica II), além de proporcionarem uma visão geral dos principais métodos estatísticos existentes e suas aplicações (componente: Métodos Estatísticos). 

 

O ciclo profissionalizante do curso é formado pelos componentes da Estatística (Inferência I e II, Estatística Não-paramétrica, Análise de Regressão, Análise Multivariada, Amostragem, Planejamento de Experimentos, Modelos Lineares, Processos Estocásticos, Análise de Dados Categorizados, Séries Temporais e Consultoria Estatística), que visam dar ao aluno uma fundamentação teórica e prática em relação às principais técnicas estatísticas utilizadas.  

O fluxograma a seguir apresenta a dinâmica da estrutura curricular em níveis, com indicação dos pré-requisitos.

 

 

 Legenda:

       Pré-requisito

       Correquisito

 

De acordo com o princípio de flexibilização, os componentes optativos são escolhidos pelo aluno dentre um elenco de opções de acordo com seus interesses e aspirações profissionais e/ou acadêmicas. Em geral, o conteúdo desses componentes aborda áreas específicas e importantes da Estatística, como por exemplo, Técnicas de Pesquisa, Controle Estatístico de Processos e Estatística Espacial, dentre outras. Além desses, novos componentes optativos podem ser criados, de acordo com o calendário universitário, para permitir uma atualização permanente do ensino às novas demandas apresentadas para a profissão.

A Lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004 estabelece a criação do Sistema Nacional de Avaliação de Educação Superior - SINAES, que tem por objeto garantir o processo de avaliação das instituições de educação superior a nível nacional, dos cursos de graduação e do desempenho acadêmico de seus estudantes. O caput 1 do Art. 1º da Lei nº 10.861 estabelece que:

“O SINAES tem por finalidades a melhoria da qualidade da educação superior, a orientação da expansão da sua oferta, o aumento permanente da sua eficácia institucional e efetividade acadêmica e social e, especialmente, a promoção do aprofundamento dos compromissos e responsabilidades sociais das instituições de educação superior, por meio da valorização de sua missão pública, da promoção dos valores democráticos, do respeito à diferença e à diversidade, da afirmação da autonomia e da identidade institucional.”

No mesmo contexto, a Resolução nº 181/2017 - CONSEPE, de 14 de novembro de 2017, dispõe sobre mecanismos para avaliação dos cursos de graduação através do Conceito Preliminar de Curso (CPC) e o Conceito de Curso (CC) produzido a partir das avaliações in loco do MEC/INEP.

 

As proposições dispostas nas Subseções 9.1 e 9.2 são pautadas na legislação vigente apresentada acima.

 

9.1         AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM

 

O processo de ensino-aprendizagem seguirá de uma forma geral o que está estabelecido no Regulamento dos Cursos Regulares de Graduação da UFRN. O artigo 95 deste regulamento diz:

"As avaliações da aprendizagem devem verificar o desenvolvimento dos conhecimentos e habilidades e versar sobre os objetivos e conteúdos propostos no programa do componente curricular".

As atividades didático-pedagógicas, tais como discussão de listas de exercícios, elaboração de projetos teóricos ou práticos com preparação de relatório e apresentação de seminários, poderão ser consideradas no processo de avaliação. Essas atividades deverão ser estimuladas pelo professor ou grupo de professores responsáveis pelo componente.

 

As atividades avaliativas deverão atender ao conteúdo abordado de cada unidade do componente curricular além de atender à concepção do curso definida no PPC, permitindo o desenvolvimento e a autonomia do discente de forma contínua e efetiva. Além disso, o instrumento de avaliação deverá ser transparente e com informações sistematizadas disponibilizadas aos estudantes, com mecanismos que garantam sua natureza formativa, sendo adotadas ações concretas para a melhoria da aprendizagem em função das avaliações realizadas.

 

Alunos que possuam alguma condição especial realizarão avaliações adaptadas especificamente de acordo com as recomendações da Secretaria de Inclusão e Acessibilidade. De forma semelhante, alunos que eventualmente sejam hospitalizados ou entrem em licença para maternidade ou tratamento de saúde também serão avaliados através de instrumentos específicos de acordo com o caso.

 

Ao início de cada ano letivo, durante a Semana de Avaliação e Planejamento Pedagógico, o NDE realizará um processo de autoavaliação do curso quanto à infraestrutura, equipamentos, pessoal, problemas de gestão, metodologias adotadas e necessidades de capacitação para se propor soluções.

 

As atividades planejadas para cada componente deverão ser apresentadas pelo professor em sala de aula e discutidas conjuntamente com os alunos no início de cada período letivo visando esclarecer os objetivos e a filosofia do curso. Na aula em que for corrigida a avaliação, o professor deverá conduzir uma discussão ampla para identificar os fatores positivos e negativos que influenciaram nos resultados, como também no processo de aprendizado. Esses fatores deverão ser utilizados como subsídios para a melhoria contínua das atividades subsequentes no curso.

 

9.2         AVALIAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO

 

Ao término de cada período letivo, o Departamento de Estatística deverá promover a avaliação do projeto através de reuniões específicas entre coordenação, docentes do curso e representantes dos alunos para discutir as dificuldades encontradas nos componentes curriculares e suas respectivas soluções, bem como apresentar sugestões baseadas nas experiências adquiridas para aprimorar as atividades do período subsequente. Nesse processo, além dos relatos dos docentes e dos representantes discentes, também deverão ser consideradas as avaliações institucionais acerca dos docentes, dos discentes e do curso, disponíveis na ocasião. Essas informações permitirão ao colegiado do curso e ao Núcleo Docente Estruturante (NDE) acompanhar e avaliar o projeto pedagógico periodicamente.

 

Ainda, a avaliação dos docentes pelos discentes será considerada como instrumento para avaliar o projeto pedagógico. Os resultados serão analisados em reunião com a participação dos professores por departamento, visando superar as dificuldades e propor melhoria para o ensino da graduação. Além disso, se utilizará os resultados das autoavaliações, das avaliações institucionais da UFRN e das avaliações externas (como a última avaliação in loco do INEP/MEC) para avaliar se os pontos a serem melhorados no que tange ao ensino de graduação foram atendidos no período letivo avaliado, buscando um aprimoramento contínuo do planejamento do curso. Anualmente, o NDE irá se reunir para elaboração de um relatório de desempenho anual, o qual será apresentado no colegiado do curso, para fundamentar a realização do planejamento. Os dados serão compilados por semestre, apresentando o desempenho dos discentes nos componentes curriculares, bem como o número de alunos formados por semestre. A avaliação do PPC ocorrerá, com a identificação de pontos fortes e fracos, buscando evidenciar quais aspectos têm contribuído para uma melhoria na formação e quais necessitam de aperfeiçoamento. Toda avaliação seguirá o Regimento Interno da instituição, normas internas do curso, sendo analisado e debatido no âmbito do colegiado do curso e apresentado na plenária do Departamento, no decorrer da reunião anual da Semana de Avaliação e Planejamento (SAP). Com base na avaliação, serão estabelecidas metas nos planos trienais, bem como em futuras atualizações do PPC. Caberá ao NDE elaborar o relatório anual de avaliação e apresentar ao colegiado, subsidiando debates e ajustes que sejam necessários.

 

Além das reuniões semestrais do Departamento de Estatística para avaliação do projeto pedagógico do curso, haverá dois momentos no ano, um em cada semestre e com públicos diferentes, onde serão abordadas as dificuldades apresentadas no curso. O primeiro encontro será realizado durante a Semana de Estatística, evento anual do curso que ocorre na segunda metade do segundo semestre letivo, e será realizado em forma de reunião entre a coordenação e os discentes para colher as demandas dos alunos no que se refere à melhoria do curso. Essas demandas serão tratadas no segundo encontro, no primeiro semestre do ano seguinte, durante a SAP. Nesse segundo momento a coordenação irá se reunir com o corpo docente a fim de tratar das demandas apontadas pelos alunos, estudando/propondo possíveis mudanças pertinentes. Além disso, nesse encontro serão levantadas as dificuldades enfrentadas pelos docentes no ano letivo anterior, as estratégias utilizadas para superá-las e os desdobramentos do alcance das metas traçadas.

 

Em concordância com o Plano de Ação Trienal do Curso de Graduação (PATCG), cujos objetivos específicos buscam atender às melhorias na qualidade do curso de Estatística bem como na produção de diagnósticos atualizados de todas as atividades por ele desenvolvidos, espera-se como principais produtos da execução desse projeto pedagógico:

● Reformulação da grade curricular visando oferecer novos componentes curriculares que atendam conteúdos de demandas atuais e as recomendações da Comissão de Avaliação do Curso do INEP/MEC;

● Adequar o projeto pedagógico às demandas solicitadas pela Comissão de Avaliação do MEC referente à última visita in loco;

● Adequar o projeto pedagógico às Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de Estatística, às resoluções internas da UFRN e do SINAES;

●Adequar o projeto pedagógico do curso com respeito ao novo percentual de carga horária em atividades complementares e conteúdos obrigatórios (Relações Étnico-raciais, História e Cultura da África e Indígena, Língua Brasileira de Sinais, Educação Ambiental e Direitos Humanos).

 

Visando atender possíveis mudanças pertinentes a este documento, com a colaboração da Comissão Própria de Avaliação (CPA) e a Pró-Reitoria de Graduação (PROGRAD) por meio da Diretoria de Desenvolvimento Pedagógico (DDPed), o Projeto Pedagógico do Curso de Estatística será periodicamente atualizado.

Baixar Arquivo
SIGAA | Superintendência de Informática - | | Copyright © 2006-2021 - UFRN - sigaa23-producao.info.ufrn.br.sigaa23-producao